Rota cerca favela na zona sul e prende 13 acusados do PCC

Policiais apreenderam armas, estouraram laboratório de refino de cocaína e acharam caixa d'água com drogas

Marcelo Godoy, O Estado de S. Paulo, e Ítalo Reis, do estadao.com.br,

16 de julho de 2009 | 17h22

Treze acusados de fazer parte do Primeiro Comando da Capital (PCC) foram detidos na tarde desta quinta-feira, 16, na Favela Monte Azul, em Campo Limpo, na zona sul de São Paulo. A Rota cercou a favela com três pelotões e houve tiroteio. Segundo o tenente-coronel Telhada, a polícia foi informada sobre o laboratório e começou a investigar. Nesta quinta, três pelotões da Rota - em um total de 100 agentes - foram até a favela e encontram o laboratório. 

 

Um dos detidos é colocado na viatura para ser levado à delegacia

 

Os policiais chegaram à favela e surpreenderam um grupo de 20 pessoas durante uma reunião da facção criminosa. Os acusados de fazer parte do PCC estavam reunidos na quadra de esportes da comunidade. Entre os presos estão dois homens conhecido como "Cebola" e "Jiló". Segundo as primeiras informações, ninguém ficou ferido no tiroteio.

 

Segundo a Secretaria de Segurança Pública (SSP), Jiló é foragido da Colônia Penal de Val Paraíso e acusado de roubo e assassinato. Na favela, foi encontrada uma caixa d'água cheia de cocaína. Além da droga, duas armas, uma metralhadora e mais de R$ 150 mil foram apreendidos. A quadrilha usava ainda um anexo da ONG Monte Azul para guardar tubos de embalagem de droga.

 

Armas apreendidas durante a ação da Rota na favela da zona sul

 

Os presos foram levados até a sede da 6ª Delegacia Seccional (Santo Amaro). A droga ainda estava no local esta noite, e passará por perícia do Instituto de Criminalística (IC).

 

Texto ampliado às 22h12 para acréscimo de informações.

Mais conteúdo sobre:
RotaPCCtráfico de drogas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.