Peter Leone
Peter Leone

Rolezinhos em shoppings e parques voltam à internet

Sem a expectativa dos eventos públicos, já há pelo menos 3 ações planejadas para este mês via redes sociais

Luiz Fernando Toledo, O Estado de S.Paulo

14 de novembro de 2016 | 18h29
Atualizado 14 de novembro de 2016 | 18h29

Depois de sair dos shoppings, por causa dos conflitos com a Polícia Militar e decisões judiciais, os rolezinhos – encontros com grande quantidade de jovens da periferia – estão voltando, aos poucos, para os centros de compras. Os eventos são uma “resposta” dos organizadores à Prefeitura, que também cortou o Rolezinho da Cidadania, que consistia em shows feitos em lugares fechados para o mesmo público.

Só neste mês há ao menos três “rolezinhos” marcados nas redes sociais: no Parque Villa-Lobos, amanhã, com 1,1 mil pessoas confirmadas; no Metrô Itaquera, no sábado, com 720; e no Shopping Tatuapé, no dia 26, com 197 confirmações.

O presidente da Associação Rolezinho – A Voz do Brasil, Darlan Mendes, responsável pelos eventos, diz que há dívidas da Prefeitura até com shows já realizados. “Como a polícia vai bater na molecada da periferia se não dá uma opção? Não adianta proibir sem dar uma solução.” Ele ressalta que o governo do Estado também poderia ajudar nos eventos. “Não vem só gente da capital, mas também de várias cidades da região metropolitana”, diz.

Crise. A São Paulo Turismo (SPTuris), empresa responsável pelos projetos Funk SP e Rolezinho da Cidadania, diz que os programas foram afetados pela crise econômica. “O problema é que neste ano a arrecadação da Prefeitura teve uma queda considerável e o orçamento foi reduzido drasticamente, em relação ao ano passado”, diz o assessor da diretoria de Responsabilidade da SPTuris, André Cintra. “A estrutura que usamos é muito cara, porque esses eventos (informais) não tinham nenhum equipamento. Tem ambulância, banheiro químico, posto médico”, disse Cintra. Ele diz que, com a mudança, o número de pancadões na cidade caiu de 700 para cerca de 300.

A Prefeitura informou ainda, em nota oficial, que os investimentos municipais nos últimos eventos, na Cidade Tiradentes e em Interlagos foram, respectivamente, de R$ 187,3 mil e de R$ 174,1 mil, com média de público de 2 mil pessoas e artistas como Péricles, MC Léo da Baixada, MC Davi e Thulla Melo.

Retomada. A SPTuris ressaltou ainda que realizou sete rolezinhos neste ano. “Em um cenário de crise econômica que atinge o Brasil, com queda na arrecadação fiscal e inevitáveis ajustes orçamentários, o projeto teve de ser temporariamente interrompido. Um aditamento ao contrato, já efetivado, garantirá a retomada da programação ainda em novembro”, diz o governo municipal.

O Estado solicitou à Secretaria da Segurança Pública (SSP) o número de pancadões e rolezinhos em que atuou neste ano, mas a pasta diz que não faz o levantamento.

O Shopping Tatuapé afirmou que “os jovens constituem um importante público” e a equipe do centro de compras “está habituada a recebê-los e conhece o seu comportamento”. A administracao do shopping diz que neste ano não pediu nenhuma vez liminar na Justiça para impedir rolezinhos. Já o Shopping Metrô Itaquera diz que “as equipes de segurança são capacitadas para zelar pela segurança dos clientes”.

Veja a íntegra da nota do Shopping Tatuapé

Os jovens constituem um importante público para o Complexo Tatuapé, toda a equipe do shopping está habituada a recebê-los e conhece o seu comportamento. Desde 2013, quando o movimento dos rolezinhos teve início, o Complexo Tatuapé obteve liminares em apenas dois momentos, como medida preventiva e com o propósito de garantir a segurança e o bem-estar dos frequentadores, lojistas e colaboradores. Esse recurso, no entanto, não precisou ser utilizado e o Complexo Tatuapé segue com a postura de não segregar ou discriminar nenhum perfil de visitante.

Notícias relacionadas

    Encontrou algum erro? Entre em contato

    Tendências:

    O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.