Rodrigues cita Donato para acalmar comparsa

Em conversa gravada, suspeito de ser o chefe do esquema diz ainda que falou com ex-secretário sobre o patrimônio deles

Artur Rodrigues, Bruno Ribeiro, Diego Zanchetta, Fabio Leite e Marcelo Godoy, O Estado de S.Paulo

13 Novembro 2013 | 02h09

Em uma tensa conversa em que os fiscais envolvidos no esquema de propinas trocam acusações, o auditor Ronilson Bezerra Rodrigues cita diversas vezes o então secretário de Governo de Fernando Haddad (PT), Antonio Donato, para acalmar o colega Luis Alexandre Cardoso Magalhães, que dizia que, se caísse, levaria junto a "Secretaria de Finanças inteira".

O auditor Carlos Augusto di Lallo Leite do Amaral também estava presente. Os três foram presos, junto com o auditor Eduardo Horle Barcellos, no dia 30, quando a ação que desmontou a quadrilha foi deflagrada. Os quatro estão soltos. O diálogo, gravado por Magalhães dias antes da prisão, ocorreu em um bar da zona leste.

Após dizer que Rodrigues planejava escapar das investigações e deixá-lo sozinho com Lallo, Magalhães afirma que seu antigo chefe o xingava pelas costas. Rodrigues rebate: "Não te chamava. Pergunta para o Donato. Luis, ele pergunta de você. Pergunta pro Donato o que eu falo pra ele, o que eu falo pra ele de você". Depois, Rodrigues cobra Magalhães: "Você ainda não procurou o Donato".

Antes disso, o nome do secretário já havia sido usado por Rodrigues para tranquilizar o colega. Magalhães diz que ficou sabendo que seria o bode expiatório, então Rodrigues afirma que chamaria outros servidores - Leonardo Leal, afastado da diretoria de Arrecadação da Secretaria de Finanças, e Douglas Amato, subsecretário -, além de Donato, para atestar sua lealdade.

"Nós vamos resolver isso junto. Vamos trazer o Léo e o Douglas aqui. E vamos pro Donato também. Eu vou com vocês onde vocês quiserem. Eu nunca fiz nada contra vocês", diz Rodrigues.

Grampos. A ligação de Donato com o grupo surge em outra gravação. Nas escutas ambientais feitas pelo MP e pela Controladoria-Geral do Município no escritório dos fiscais, no centro, Donato é citado em um diálogo entre Rodrigues e Barcellos, de 3 de outubro, em que eles discutem como justificar os bens.

Rodrigues diz que conversou com Donato sobre o patrimônio deles. Barcellos afirma que a investigação começou com seus bens, que seriam os mais fáceis de serem comprovados em auditoria. "Foi! O Donato me falou! É por isso que a história não bate", fala Rodrigues. O nome do secretário é dito novamente nesta conversa, mas em um trecho inaudível.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.