Rodoviária já tem check-in e aviso em inglês

Terminal do Tietê ainda conta com mensagens em espanhol, sala VIP e pagamento em 15 vezes

LUÍSA ALCALDE, O Estado de S.Paulo

18 Dezembro 2011 | 03h01

Com a ascensão da classe C e a fuga de passageiros de ônibus para aviões, o Terminal Rodoviário do Tietê, na zona norte da capital, contra-atacou para não perder ainda mais clientes e tratou de oferecer serviços e comodidades antes acessíveis apenas a quem cruzava o País a bordo de aeronaves. As mudanças, que começaram a ocorrer há três anos, fizeram o maior terminal de ônibus do Brasil ficar cada vez mais com jeito de aeroporto.

Agora, quem aguarda parentes ou conhecidos vindos de outras partes do País acompanha os horários de chegada dos ônibus por meio de nove painéis eletrônicos instalados nos saguões do 1.º andar. Desde julho, mensagens são passadas pelos alto-falantes não só em português, como em espanhol e inglês. Quem parte pode comprar passagens pela internet com cartões de crédito. No dia da viagem, basta imprimir o tíquete antes do embarque em máquinas de autoatendimento, sem filas.

As viagens ainda chegam a ser parceladas em até 15 vezes. As parcelas mensais do trajeto ida e volta de Curitiba a São Paulo, por exemplo, saem por R$ 41,60 para uma família com quatro pessoas.

A novidade ganhou força entre as empresas de ônibus de junho para cá. "Com o tempo, a tendência será a de a maioria aderir", acredita Eduardo Cardoso, diretor da Socicam, concessionária que administra os terminais rodoviários de São Paulo.

Embarque. Tem empresa fazendo até check-in com despacho de bagagem. Caso da Itapemirim, que pesa as malas dos clientes e depois se encarrega de levá-las ao bagageiro dos ônibus. Só é cobrada tarifa se o peso exceder 30 quilos.

A mudança no perfil do terminal começou há três anos, quando um grupo de empresas de ônibus resolveu abrir uma sala VIP no térreo da Rodoviária do Tietê, com saída direta para a plataforma de embarque. O cliente tem direito a café, chá, ar-condicionado, TV, bancada para acesso à internet e tapete vermelho até a entrada do ônibus. Para usufruir das comodidades, viajantes não pagam nada além do valor da passagem.

"O movimento de passageiros agora está estável. Assim como a classe C migrou para o aéreo, as classes D e E passaram a viajar, o que antes não acontecia", explica Sidiney Gazola, gerente comercial da Viação Cometa.

Há uma semana, a empresa colocou em operação um novo ônibus que agrega em um mesmo veículo a classe executiva, em que os passageiros viajam sentados em poltronas normais, e a primeira classe, onde desfrutam de bancos leitos. Por enquanto, a novidade vale apenas para o trajeto Curitiba-São Paulo. O ônibus é equipado com descanso para os pés, TV, DVD e CD player, além de frigobar e ar-condicionado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.