Rodoanel tem sete quilômetros sem sinal para celular

Procuradoria-Geral do Estado recebeu ontem denúncia de deputado sobre 'buracos negros';governo culpa empresas

Eduardo Reina, Bruno Ribeiro, O Estado de S.Paulo

11 de novembro de 2010 | 00h00

Motoristas que passam pelo Trecho Sul do Rodoanel, inaugurado em 1.º de abril, reclamam da deficiência do serviço de celular nos 61,4 quilômetros da rodovia. A reportagem percorreu o Trecho Sul ontem e constatou 7 quilômetros de "buracos negros": um no km 33 e outro entre os km 76 e 82. O governo do Estado informou que os problemas no serviço são de responsabilidade das operadoras de telefonia.

O deputado estadual Orlando Morando (PSDB), da Comissão de Transportes da Assembleia, protocolou ontem denúncia na Procuradoria-Geral do Estado cobrando providências das operadoras. A documentação será avaliada e encaminhada ao Ministério Público.

Na constatação do parlamentar, seriam 11 quilômetros ao todo sem sinal de celular. Os piores trechos estão localizados entre o km 33 e o 37, perto da Rodovia Régis Bittencourt, e entre o km 80 e o 86, já no limite entre São Paulo e São Bernardo do Campo. Ele disse que, apesar de já ter contatado as operadores de celular várias vezes para comunicar as reclamações que recebeu, nada foi feito até agora.

A falta de sinal para celular fez o Sindicato das Empresas de Transporte de Carga de São Paulo (Setcesp) sugerir a suspensão de caminhões das empresas filiadas no Trecho Sul entre abril e agosto. O objetivo foi evitar assaltos, uma vez que a falta de sinal de telefonia móvel dificulta o acompanhamento de cargas e favorece roubos. Um acordo com as seguradores foi feito em agosto, prevendo que as apólices tenham validade em toda a extensão do Trecho Sul, apesar da falta de sinal para celulares.

Entre as operadoras, A TIM respondeu que já possui um estudo avançado para cobrir o Rodoanel. A Claro informou que investe na ampliação do sinal na estrada e já instalou antenas na região. A Vivo e a Oi não se pronunciaram. / COLABOROU TIAGO DANTAS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.