Rodoanel Norte: obra ainda neste ano

Governo quer começar construção em novembro, mas moradores de municípios que serão cortados pela estrada pedem mais discussão

Renato Machado e Paulo Saldaña, O Estado de S.Paulo

18 Março 2011 | 00h00

O governo de São Paulo pretende começar ainda neste ano as obras do Trecho Norte do Rodoanel, o último e mais polêmico do anel viário. O novo cronograma da gestão Geraldo Alckmin (PSDB) prevê que as duas partes que faltam sejam construídas ao mesmo tempo - o Leste teve o contrato de concessão assinado há uma semana e o grupo vencedor vai iniciar os trabalhos em até seis meses.

O Trecho Norte terá 44 km, com acessos nas Avenidas Raimundo Pereira de Magalhães e Inajar de Souza, além de alças para os Trechos Oeste e Leste e para o Aeroporto de Cumbica, em Guarulhos.

A Desenvolvimento Rodoviário S.A. (Dersa) espera até maio conseguir a licença prévia, primeiro passo do empreendimento. "Protocolamos o Estudo de Impacto Ambiental (EIA) e agora os municípios vão indicar as necessidades de compensação", disse o presidente da Dersa, Laurence Casagrande Lourenço.

Com a licença, a Dersa pretende lançar o edital até junho e concluir a licitação até outubro. As "obras brutas" começarão em novembro, segundo o governo.

O traçado final será decidido apenas no momento de liberação da licença prévia. A Dersa afirma que vai defender a rota prevista no EIA, que corta parte da área urbana no norte da capital e um pedaço da Serra da Cantareira, por isso a necessidade de seis túneis no percurso.

A diretoria da Dersa se reuniu ontem com uma missão do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), que deve financiar R$ 2 bilhões do projeto. O Trecho Norte custará R$ 5,86 bilhões. Um terço será bancado pelo governo federal.

Reação. A pressa do governo do Estado para começar as obras ainda neste ano provocou a reação de municípios envolvidos. "O Trecho Norte é muito importante para Guarulhos e para o Estado. Porém, o projeto não pode ser imposto pela Dersa", afirmou em nota o prefeito Sebastião Almeida (PT).

"Se o projeto for levado para licenciamento vai chover ações civis", acredita o advogado Carlos Eduardo de Castro Souza, que representa moradores do Jardim Itatinga, na capital.

PARA LEMBRAR

O Trecho Leste do Rodoanel também começa a sair do papel neste ano, no máximo em seis meses. A obra será feita em regime de concessão, no qual o vencedor da licitação poderá explorar os pedágios dos Trechos Sul e Leste, mas precisará construir todo o ramal leste - que vai de Mauá, no Trecho Sul, até a Rodovia Presidente Dutra, em Arujá.

O contrato foi assinado no dia 10 deste mês. Além do início das obras, a concessionária SPMar também está liberada para começar a cobrar pedágio no Trecho Sul, previsto para julho. O valor será de pelo menos R$ 2,40.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.