Estadão
Estadão

Rodízio de carros é suspenso nesta quarta por ameaça de paralisação

Cobrança da Zona Azul também será interrompida; metroviários e motoristas e cobradores de ônibus podem parar em protesto contra a reforma da Previdência

O Estado de S. Paulo

14 Março 2017 | 20h04

SÃO PAULO - A Prefeitura de São Paulo determinou a suspensão do rodízio de veículos leves nesta quarta-feira, 15, por causa da ameaça de paralisação do transporte público. 

Protestos contra a reforma trabalhista e da Previdência podem parar o sistema de transporte público de São Paulo por até 24 horas, nesta quarta.

Segundo informação divulgada pela Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), as restrições de circulação para caminhões seguem valendo normalmente.

"Os corredores de ônibus estão liberados para o tráfego de táxis, com ou sem passageiros, e ônibus fretados. Durante toda a manhã, até o meio-dia, carros poderão circular nas faixas exclusivas para ônibus", informa a CET.  

Além do rodízio, a cobrança da Zona Azul também estará suspensa nesta quarta. 

Nesta terça, o Tribunal Regional do Trabalho (TRT) de São Paulo determinou que os metroviários devem manter 100% do efetivo durante os horários de picos.

O TRT também proibiu os motoristas de fazer qualquer paralisação de ônibus nesta quarta, sob multa de R$ 300 mil. A decisão atende pedido de liminar da SPTrans, consórcio que administra as linhas de ônibus na capital paulista. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.