Rock in Rio vai fechar 15 ruas da Barra, a partir do dia 23

O Rock in Rio vai fechar 15 ruas na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio, segundo esquema divulgado ontem pela prefeitura. O festival - que ocorre de 23 de setembro a 2 de outubro e deve receber cem mil pessoas por dia - terá 340 agentes que trabalharão pela fluidez do trânsito, já naturalmente complicado.

Roberta Pennafort / RIO, O Estado de S.Paulo

07 de setembro de 2011 | 00h00

O único meio de transporte viável é ônibus, frisam as autoridades e os organizadores do Rock in Rio. São 14 linhas que já passam pela Cidade do Rock e outras que serão desviadas. A maior parte do público terá de andar no mínimo 1,5 km até a entrada. Só os ônibus mais caros, com ar condicionado, deixarão os passageiros perto da entrada (a 250 metros).

A Avenida Salvador Allende, onde fica o terreno de 150 mil m² do Rock in Rio, ficará fechada entre a Avenida das Américas (a principal da Barra) e a Estrada dos Bandeirantes - inclusive para moradores. Rotas alternativas foram criadas.

Quem planeja ir de carro, estacionar em um shopping da Barra e de lá pegar táxi ou ônibus pode ter dificuldade. A quantidade de vagas será insuficiente e os táxis não poderão furar os bloqueios.

A melhor opção parece ser a compra antecipada do RioCard Rock in Rio (é possível adquiri-lo na rodoviária e nos aeroportos). Mais informações: www.fetranspor.com.br e www.rockinrio.com.br.

Estima-se que metade dos ingressos tenha sido comprada por turistas, brasileiros e estrangeiros, cujas reservas já lotam 90% da rede hoteleira. O Rock in Rio deve gerar US$ 400 milhões para a cidade. A escolha do mês de setembro pela prefeitura, e não janeiro das três edições anteriores, foi feita justamente pela aposta de que o festival traria investimentos à cidade em um mês fraco para o turismo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.