Rocinha é área estratégica para Copa e Olimpíada

Feita há um ano, ocupação completou o cinturão de segurança nas regiões da zona sul do Rio consideradas prioritárias

RIO , O Estado de S.Paulo

02 de dezembro de 2012 | 02h02

O processo de pacificação da Rocinha acaba de completar um ano. O início da operação foi conturbado, com uma onda de violência que durou 40 dias e levou ao redimensionamento do efetivo policial na comunidade.

Em 13 de novembro do ano passado, quatro dias após a prisão de Antônio Francisco Bonfim Lopes, o Nem, chefe do tráfico local, a favela foi recuperada pelas forças de segurança. Em apenas 2 horas e sem nenhum tiro disparado, a favela estava ocupada. Nos meses seguintes, foram registrados, porém, 13 assassinatos - 2 deles de policiais militares.

A 28.ª Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) do Rio foi instalada ali em setembro deste ano, com um efetivo de 700 policiais - mais do que o dobro da quantidade média das outras UPPs. O número foi decidido após sucessivos confrontos entre forças de ocupação e traficantes, em março.

A unidade deverá receber um projeto inédito de monitoramento por imagem, com cem câmeras, mas, por enquanto, o programa ainda é só uma promessa.

Considerada uma área estratégica, a Rocinha está encravada entre regiões nobres do Rio e sua ocupação completou o cerco de segurança no cinturão que envolve as áreas da zona sul consideradas prioritárias para a Copa do Mundo e a Olimpíada.

Nos últimos quatro anos, foram investidos R$ 272 milhões em urbanização na área de 840 mil metros quadrados, onde residem 70 mil habitantes. As ações incluem um complexo esportivo, um conjunto habitacional e uma unidade de saúde.

Na segunda fase de investimentos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), estão previstas a construção de um mercado público e a implantação de um teleférico com três estações, como no Alemão. O investimento total pode chegar a R$ 700 milhões. Com poucas áreas de lazer, os moradores aguardam a inauguração do Parque Ecológico da Rocinha, área de 9 mil m² com atividades esportivas, educativas e culturais. A previsão é de que o parque seja aberto ao público no próximo mês. / H.A.S.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.