Bobby Fabisak/JC Imagem
Bobby Fabisak/JC Imagem

Robô do Titanic tentará achar restos do voo 447

França faz 4ª busca por destroços do avião que afundou no Atlântico, deixando 228 mortos; operação deve custar cerca de R$ 21,5 milhões

, O Estado de S.Paulo

23 Março 2011 | 00h00

Uma quarta rodada de buscas pelos destroços do avião que fazia o voo 447 da Air France deve começar na próxima semana, disseram oficiais franceses ontem. O maior objetivo da investigação é encontrar as caixas-pretas do Airbus, que poderiam determinar a causa da tragédia.

Martine del Bono, porta-voz da agência francesa que supervisiona as buscas, afirmou que a nova operação vai durar até julho. Uma embarcação com três robôs subaquáticos vai realizar as buscas na região da costa do Nordeste, com apoio do barco americano Alucia e da equipe do Woods Institution. Em 2009, o acidente matou todas as 228 pessoas a bordo, após sair do Rio com destino a Paris. Na semana passada, a Air France foi indiciada. A companhia considera a decisão "infundada."

Detalhamento. Desta vez, serão usados na busca no Oceano Atlântico três robôs do modelo Remus - dois da fundação americana Waitt e um do instituto alemão Geomar. Com 4 metros de comprimento e pesando 800 quilos, ele são capazes de chegar a 4 mil metros de profundidade.

Os equipamentos já foram utilizados na missão que descobriu destroços do Titanic e podem trabalhar por até 22 horas ininterruptamente. Até hoje, apenas 3% da estrutura do Airbus foi resgatada.

A fase anterior das buscas, encerrada em maio de 2010, não encontrou peças ou fragmentos. "Temos de utilizar todos os recursos, os mais sofisticados, para obter resultados e explorar todas as possibilidades", disse no Recife o diretor do escritório francês de investigação de acidentes aeronáuticos (BEA), Jean-Paul Troadec, para justificar a nova procura. Segundo ele, todos os custos serão bancados pela Airbus e pela Air France e devem chegar a US$ 13 milhões (cerca de R$ 21,5 milhões). / AGÊNCIAS INTERNACIONAIS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.