Rafael Arbex / Estadão
Rafael Arbex / Estadão

Rivais deveriam ser torturados devagar, antes de ser mortos

As interceptações também mostram criminosos planejando assassinato de agentes prisionais federais

Marcelo Godoy, O Estado de S.Paulo

06 Julho 2018 | 03h00

SÃO PAULO - A denúncia da Operação Echelon mostra que o Primeiro Comando da Capital (PCC) criou regras para matar rivais. Eles devem ser executados com vagar, sob tortura e com muita crueldade. Interceptações telefônicas do Ministério Público Estadual relacionam mais de uma dezena dessas execuções. Em uma delas, a cúpula do PCC proíbe que a vítima – acusada de pertencer ao Comando Vermelho – seja morta a tiros. A ordem é matar “na faca” e tirar foto do morto. 

+ PCC monta ‘RH’, tem setor para prisões femininas e cria até curso de fazer bomba

Os integrantes de facções rivais são chamados pelo PCC de “lixo”. Há na denúncia relatos de execuções em Mato Grosso do Sul, em Minas, no Ceará, em Roraima, em São Paulo, no Paraná e no Rio Grande do Norte. A contabilidade dos assassinatos também era feita pela facção. Em 29 de outubro de 2017, um bandido anotou: “Estado Ceará, pá (morte) cinco lixos.” 

A cúpula enviou armas aos integrantes nos Estados em onde havia guerra com grupos inimigos e planejou mandar reforços de São Paulo. Além dos Estados do Norte e Nordeste, onde o PCC busca dominar a rota do tráfico de drogas do Rio Solimões, na Amazônia, e o envio de drogas à Europa, o grupo investe para dominar o tráfico em Santa Catarina. Ali, o interesse é pelo Porto de Itajaí.

As interceptações também mostram a facção planejando a morte de agentes prisionais federais por ordem de Roberto Soriano, o Tiriça. Integrante da Sintonia Final, ele foi enviado à penitenciária federal de Catanduvas (PR) após se envolver com atentados em São Paulo. Em 2016, por achar que o sistema da prisão era muito rígido, determinou que um agente prisional – Alex Belarmino Almeida da Silva – fosse morto, o que aconteceu em 2 de setembro de 2016. A vítima foi atingida por mais de 20 disparos.

Ainda nos presídios federais, o PCC tentou usar um membro de uma pequena facção, a Cerol Fino, para matar dois “troféus”. Um deles era o preso José Márcio Felício, o Geleião, ex-membro da cúpula do PCC, e o outro era o detento José Roberto Barbosa, o Zé Roberto da Compensa, líder da Família do Norte (FDN). O plano falhou. 

Estratégias

A revolta contra o que a facção chama de “opressão carcerária” está por trás não só dos atentados praticados pelo grupo, mas também de outras estratégias, como a promoção de protestos. As interceptações detectaram que o PCC estava por trás de uma manifestação em Brasília com cerca de 1,2 mil pessoas, em 25 de janeiro de 2017. A facção arrumou ônibus e confeccionou faixas. 

Outra estratégia foi criar uma rede de “casas de apoio”, perto de presídios federais, para abrigar parentes de presos da facção que fossem transferidos para essas unidades. 

'Ô meus irmão, de tiro não, de faca', orienta bandido

Interceptações feitas pela Polícia Civil mostram como funcionava o processo de decisão da facção para a execução de um rival. Em 27 de outubro, membros da organização foram flagrados em ligação organizando uma das execuções do “Tribunal do Crime”.

“Mete marcha na caminhada, faz o que tem que ser feito aí ó e manda pra nóis só o terminal, tá bom?” (sic), diz Rafael Silvestri da Silva, o Gilmar, no telefonema. Do outro lado, recebe a resposta positiva do “dono da quebrada”, que responde pelo apelido de Treme Terra: “Ô meus irmão, de tiro não, de faca!”

Em outra interceptação, os investigadores reúnem elementos sobre outras execuções em âmbito nacional. “A fita é o seguinte irmão, poucas ideia, pode passar o cerol (cortar o pescoço), tá bão? Pode fazer o que tem que fazer, falou? Pode falar que foi eu que dei o okay.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.