Rita Lee é detida por xingar policiais

Confusão aconteceu em show da cantora em Aracaju, Sergipe, quando PMs revistaram fãs que estariam fumando maconha

JULIO MARIA , NATHÁLIA NHAN, O Estado de S.Paulo

30 de janeiro de 2012 | 03h02

A cantora Rita Lee, de 64 anos, foi detida anteontem à noite em Barra dos Coqueiros, a 2 km de Aracaju, Sergipe, por xingar policiais militares durante show na cidade. Ela foi solta pouco depois. O delegado Fernando Melo, coordenador das delegacias em Aracaju, disse ao Estado que definirá hoje a tipificação do crime que Rita pode ter cometido quando se apresentou no Festival Verão Sergipe 2012.

"Desacato aos policiais, apologia ao crime, ainda não sei. Vou analisar o caso com calma. Já pedimos as imagens do que aconteceu", afirmou.

Rita Lee fazia o que anunciou como seu show de despedida (ela dissera dias antes que, por motivos de saúde, aquela seria a última apresentação ao vivo) quando viu policiais militares revistando pessoas que estariam fumando maconha na plateia. A partir daí, Rita teria começado a agredir verbalmente soldados e oficiais usando termos como "cachorros" e "filhos da p...".

Ao fim do show, segundo Melo, os policiais apresentaram a Rita uma intimação para que fosse depor na delegacia da região na manhã de ontem. Depois de se recusar a assinar o documento, a cantora foi conduzida ao distrito contra sua vontade.

Durante a ação da polícia, ela postou mensagens no Twitter. "Polícia dando trabalho p/mim, quer me prender, embasamento legal ñ há, ñ retiro uma palavra do q disse, o show era meu!" E também reclamou da PM. "Alô twittlawyers, polícia abusiva e abusada, não sou obrigada a fazer o q me pedem: ir à delegacia agora, ou amanhã às 9."

Chamado a acompanhar o depoimento na noite de sábado, Melo diz que Rita não estava mais nervosa quando chegou ao distrito. "Ela estava tranquila, disse que houve exageros de ambas as partes. Falou que xingou os policiais no calor da emoção porque viu que eles estavam revistando as pessoas durante seu show. Mas essa é uma atitude normal, era um show em um local aberto", disse o delegado.

A assessoria de Rita Lee não atendeu telefonemas ontem. Pela manhã, a cantora voltou ao Twitter, desta vez, para agradecer à vereadora de Maceió Heloísa Helena (PSOL), que estava na plateia, por prestar depoimento na delegacia em seu favor.

Lucas Rosário, assessor de Imprensa da Secretaria de Segurança Pública de Sergipe, que estava no show, afirmou que "Rita Lee dizia que o show era dela e, em determinado momento, afirmou: 'Me dê um baseado para eu fumar aqui em cima'." O assessor disse ainda que a polícia se aproximou do palco, formando um cordão de isolamento, mas que ela só foi abordada após o término do show.

Em 1976, grávida de três meses de Beto Lee, Rita foi presa em sua casa, acusada de porte de maconha e condenada a um ano de reclusão em prisão domiciliar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.