Risco de desabamento provoca interdição de prédios em SP

Moradores desconfiam que construção ao lado teria provocado o problema; técnicos farão vistorias

Ricardo Valota, da Central de Notícias,

11 Fevereiro 2010 | 01h45

Edifício interditado fica ao lado de construção de prédio comercial

 

SÃO PAULO - Os dois prédios interditados na Barra Funda, zona oeste de São Paulo, durante a madrugada desta quinta-feira, 11, passarão por novas vistorias ainda nesta manhã, segundo informações da Defesa Civil municipal. Os prédios, um comercial e outro residencial, localizados na Rua Tagipuru, na Barra Funda, zona oeste de São Paulo, abandonaram o prédio, no final da noite desta quarta-feira, 10, após ouvirem dois estrondos que teriam vindo de um edifício comercial ao lado.

 

Três equipes dos bombeiros foram acionadas e, ao chegarem no local, ordenaram que os moradores dos 14 andares saíssem do prédio, que possui quatro apartamentos por pavimento. "Nosso prédio é colado com o prédio comercial. O pessoal aqui reclama que de vez em quando caem reboco e pastilhas do revestimento do edifício ao lado. Pedaços de reboco já caíram sobre a minha guarita. Nessa noite foram dois estrondos", afirmou o porteiro do edifício. O prédio comercial já estava vazio.

 

Acredita-se que os dois estrondos ouvidos pelos moradores vieram do deslocamento do prédio comercial. Formou-se um vão, de pelo menos quatro centímetros, entre as paredes na parte superior dos dois imóveis. Os dois prédios foram interditados. Os moradores ainda puderam entrar nos apartamentos para pegar seus pertences antes de seguirem para a casa de parentes ou amigos. "A princípio vamos manter a interdição feita pelos bombeiros, mas ainda faremos uma nova vistoria para avaliar melhor a situação", afirmou o coronel Jair Pacca de Lima, coordenador da Defesa Civil Municipal.

 

Há uma construção em andamento ao lado dos prédios. Alguns dos moradores acreditam que essas obras sejam a causa da inclinação ocorrida no prédio comercial. No momento em que deixavam o prédio, alguns dos condôminos afirmaram que dias atrás rachaduras apareceram no interior dos imóveis.

 

De acordo com a Defesa Civil, os edifícios estão sendo vistoriados por técnicos e engenheiros da Prefeitura e da subprefeitura da Sé. Os representantes da construtora que realiza a obra ao lado estão sendo aguardados.

 

Texto atualizado às 10h12.

 

Moradores observam o prédio após serem orientados a deixar o edifício

Mais conteúdo sobre:
prédiointerdiçãoDefesa Civil

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.