Rio vai investigar mulher de acusado de matar zelador

Polícia Civil retoma apuração sobre morte do empresário José Jair Martins, que era casado com a advogada Ieda Cristina Martins

Fábio Grellet, O Estado de S. Paulo

05 de junho de 2014 | 20h54

RIO - A Polícia Civil do Rio retomou a investigação sobre a morte do empresário José Jair Farias, ocorrida em 20 de dezembro de 2005 em Santa Cruz. José foi casado com a advogada Ieda Cristina Martins, atual mulher do publicitário Eduardo Martins. Ieda e Martins são investigados pela morte do zelador Jezi Lopes de Souza, em São Paulo, na semana passada.

Agora, o delegado Geraldo Assed Estefan, da 36.ª DP (Santa Cruz), investiga se o casal teve participação na morte do ex-marido de Ieda.

Antes de conhecer Martins, Ieda viveu com Farias, com quem teve um filho, José Jair Farias Junior, hoje com 19 anos. O casal já estava separado quando Ieda conheceu Martins. Eles passaram a morar juntos em 2001. Nessa época, Ieda e o ex-marido ainda disputavam a guarda do filho.

Familiares de Farias contaram à polícia que Ieda exigia dinheiro do ex-marido para permitir que ele visse a criança. Farias chegou a gravar conversas telefônicas e anotar pagamentos que fazia à ex-mulher. Em 2002, ele registrou na polícia ameaças que teriam sido feitas por Martins. Em 9 de dezembro de 2005, Ieda registrou queixa contra Farias, acusado de ter ido à escola buscar o filho do casal sem avisar a ex-mulher.

Às 12h40 de 20 de dezembro de 2005, Farias foi encontrado morto com dois tiros, dentro de seu Corsa prata, na Estrada dos Palmares, em Santa Cruz, na zona oeste do Rio. A polícia não chegou a nenhuma conclusão sobre o crime.

“Existem várias acusações, por isso vamos ouvir novamente familiares e testemunhas”, disse o delegado Estefan, que nesta quinta-feira, 5, tomou o depoimento de duas testemunhas do episódio. Também será feita perícia para tentar identificar se a arma apreendida na casa de Martins foi usada no crime de 2005.

Crime. Martins permanecia ontem preso pela morte do zelador Jezi Lopes de Souza. Ieda foi solta na terça-feira à noite e a polícia investiga se ela participou do crime. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.