Rio planeja criar 21 mil vagas em hotéis para a Olimpíada

Pacote da Prefeitura apresentado à Câmara prevê 72% a mais de acomodações; setor teme excesso de oferta

Bruno Boghossian / RIO, O Estado de S.Paulo

31 de agosto de 2010 | 00h00

 

A prefeitura do Rio apresentou ontem à Câmara Municipal um pacote para estimular a construção de hotéis na cidade, com o objetivo de garantir acomodações para turistas, autoridades e delegações na Copa do Mundo de 2014 e na Olimpíada de 2016. Com propostas de mudança temporária na legislação urbanística e de redução de impostos, o Rio espera construir 21 mil quartos em seis anos - uma ampliação de 72% da oferta atual.

O ponto-chave da proposta é a autorização provisória para a construção de hotéis em bairros como Copacabana, na zona sul, Barra da Tijuca e Recreio dos Bandeirantes, ambos na zona oeste, onde novos empreendimentos do setor são proibidos. Para garantir a manutenção da infraestrutura turística após os eventos, os proprietários deverão se comprometer a manter o uso hoteleiro dos edifícios, evitando que sejam transformados em condomínios residenciais.

"No passado, a indústria da construção aproveitou incentivos para a hotelaria e ergueu apart-hotéis de 20 andares na Barra da Tijuca, mas hoje todos eles têm pessoas que vivem permanentemente lá", afirmou o secretário municipal de Urbanismo, Sérgio Dias.

A permissão para a construção dos hotéis deve valer em dez bairros, apenas para empreendimentos que receberem licença para funcionamento até o fim de 2015. Apesar da liberação, os prédios deverão respeitar as restrições ambientais das regiões e os gabaritos vigentes.

Em Copacabana e no Leme seria autorizada a construção apenas nas vias internas, o que deixa de fora a cobiçada Avenida Atlântica. As orlas da Barra da Tijuca e do Recreio ficaram fora do pacote, que contempla apenas a Avenida das Américas e um trecho da Avenida Ayrton Senna.

Está prevista também a concessão de permissões para a construção de pousadas de ecoturismo em Guaratiba, zona oeste, e no Alto da Boa Vista, zona norte, áreas menos populosas e com vegetação natural. São Conrado, zona sul, Deodoro e Realengo, ambos na zona oeste, e Ilha do Governador, zona norte, também estão incluídos no pacote.

O projeto, que ainda precisa ser discutido e votado pelos vereadores, prevê uma renúncia fiscal de R$ 34,5 milhões. Os empreendimentos estarão isentos do Imposto sobre Transmissão de Bens Imóveis (ITBI) e do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) até a emissão da licença de funcionamento, e terão uma redução do Imposto Sobre Serviços (ISS).

Oferta. O Rio tem cerca de 29 mil quartos de hotéis, mas precisa de 50 mil para atender à demanda exigida pelo Comitê Olímpico Internacional. Com os incentivos e o calendário de grandes eventos previstos para a cidade, a Prefeitura acredita que as 21 mil novas vagas estarão disponíveis até os Jogos Olímpicos.

A Associação Brasileira da Indústria de Hotéis no Rio aposta na criação de 10 mil quartos até os Jogos Olímpicos. "Em seis anos, se nós crescêssemos normalmente, teríamos 6 mil novos quartos até 2016. Com esses incentivos e com a exposição da imagem do Rio diante da Copa e da Olimpíada, podemos chegam a 10 mil novos quartos, facilmente", avalia o presidente da entidade, Alfredo Lopes.

PONTOS-CHAVE

Pan-Americano de 2007

O Velódromo e o Parque Aquático Maria Lenk, na Barra da Tijuca, e o Estádio Olímpico João Havelange, no Engenho de Dentro, ficaram subutilizados após o evento.

Custo

Só a manutenção anual do Velódromo e do Parque Aquático (foto) era de R$ 5 milhões. Por isso, a prefeitura do Rio passou a administração do complexo ao Comitê Olímpico Brasileiro (COB).

Copa de 2014

A reforma de R$ 720 milhões do Maracanã ainda está sendo licitada. Críticos temiam que a escola Arthur Friedenreich, vizinha do estádio, fosse demolida, o que foi negado pelo governo do Estado.

Olimpíada de 2016

Com os eventos concentrados na Barra da Tijuca, a prefeitura do Rio pretende colocar parte da Vila de Mídia na zona portuária e criar incentivos para empresas se instalarem na região.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.