Facebook/Reprodução
Facebook/Reprodução

Rio Piracicaba transborda e peixes vão parar nas ruas

Na Rua do Porto, ponto turístico às margens do manancial, água subiu em pouco tempo e comerciantes tiveram de sair às pressas

Rene Moreira, Especial para o Estado

13 Janeiro 2016 | 14h09

FRANCA - A cheia fez o Rio Piracicaba transbordar e aparecer cardumes no meio da rua. O manancial subiu em pouco tempo na noite desta terça-feira, 12, e famílias precisaram ser retiradas, enquanto comerciantes tiveram de correr para fechar seus negócios e salvar os móveis.

Na Rua do Porto, ponto turístico de Piracicaba, no interior de São Paulo, o rio continuou a subir na manhã desta quarta-feira, 13, e já se aproximava de 6 metros de profundidade, mais do que o dobro do previsto para esta época (2,5 metros). Caminhões da Defesa Civil foram deslocados para ajudar os moradores a retirarem os pertences que ficaram ameaçados pela água.

Bares e restaurantes fecharam as portas e muitas pessoas foram para as casas de parentes, enquanto seis famílias precisaram da ajuda da prefeitura, três delas na região da Rua do Porto. Moradores contaram ter vistos cardumes em alguns locais, como na Avenida Beira Rio, que teve o trânsito fechado.

"Quase um metro dentro de casa", contou a auxiliar administrativa Elaine Fidelis, em mensagem aos amigos e vizinhos. Moradora da região, ela foi um dos que sofreram com a cheia e relataram os prejuízos através de fotos e vídeos.

Em outro ponto da cidade, na Favela da Portelinha, dois barracos desabaram e quatro correm o risco de desmoronar.

Histórico. Pouco antes de o rio começar a subir, o Departamento de Água e Energia Elétrica (Daee) havia anunciado situação de emergência para extravasamento.

Isso não acontecia desde 2011, quando o rio bateu recorde para janeiro e registrou mais de 1 milhão de litros por segundo. Depois disso, com a seca, no ano passado, chegou a ter menos de um metro de profundidade.

Mais conteúdo sobre:
Rio Piracicaba São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.