REPRODUÇÃO
REPRODUÇÃO

Rio Piracicaba tem a vazão mais baixa do ano

Foram registrados 66,5 metros cúbicos por segundo, em ponto de medição na área urbana; no ano passado, rio quase secou

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

19 Abril 2016 | 07h00

SOROCABA - O Rio Piracicaba, um dos principais do interior, registrou nesta segunda-feira, 18, a vazão mais baixa do ano, com 66,5 metros cúbicos por segundo, no ponto de medição localizado na área urbana de Piracicaba. Há uma semana, o rio estava com 74,4 m3/s, ainda assim muito longe do nível atingido em janeiro deste ano, no pico do período chuvoso, quando registrou vazão de 779,4 m3/s e alagou as áreas ribeirinhas. 

A trégua nas chuvas causou a baixa no volume de água. Turistas que foram à cachoeira, no domingo, 17, na região do Beira-Rio, ficaram decepcionados com a pouca água em meio às pedras.

Com a entrada da estiagem este mês, a previsão é de que as chuvas se tornem ainda mais escassas. O período mais crítico para os rios se estende ao menos até o fim de agosto. No ano passado, nesse mês, o Piracicaba chegou à vazão de 11 metros cúbicos por segundo e praticamente secou. 

Outros rios que abastecem cidades das regiões de Campinas, Jundiaí e Piracicaba também tiveram queda nos níveis. O Rio Atibaia estava com 13,1 m3/s - três metros cúbicos a menos que na semana passada. O Jaguari tinha 7,0 m3/s - quase a metade da vazão de uma semana atrás -, e o Camanducaia, 7,7 m3/s - 2,1 metros cúbicos a menos. 

Mais conteúdo sobre:
Rio PiracicabaCampinasJundiaí

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.