Rio: desenho de Niemeyer ainda não é seguido

Reinaugurado oficialmente no domingo, o novo sambódromo do Rio de Janeiro continua em obras e, ao contrário do que se esperava, ainda não segue o padrão do projeto original de Oscar Niemeyer. A abertura que se forma sob as novas arquibancadas do sambódromo, em forma de gota, não é notável. A prefeitura afirma que o formato somente será definido com o acabamento, ainda sem prazo para ser realizado.

FÁBIO GRELLET / RIO , O Estado de S.Paulo

15 de fevereiro de 2012 | 03h05

Segundo o escritório de Oscar Niemeyer, autor do projeto, a construtora optou por fazer essas paredes de alvenaria, chegando ao formato final apenas no acabamento. As paredes das arquibancadas antigas foram feitas de concreto, diretamente em forma de gota.

Nas novas arquibancadas, técnicos ainda realizam ajustes na estrutura metálica de mais de 300 metros instalada para receber os equipamentos que vão transmitir o evento pela TV. No último ensaio técnico, no fim de semana, com a passagem da Beija-Flor, o novo sistema de som funcionou adequadamente. No sábado, havia falhado durante o ensaio da Imperatriz.

Com a nova configuração, o sambódromo ganhou 50% mais caixas de som. A reforma também mudou a iluminação da passarela do samba. Ontem, operários ainda trabalhavam na infraestrutura do local.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.