Caroline Staboli/FotoRepórter/AE
Caroline Staboli/FotoRepórter/AE

Rio Atibaia transborda e deixa 450 famílias desabrigadas

Cenas comuns há 1 ano voltaram a repetir-se; outras 14 cidades na região de Campinas tiveram alagamentos

Diego Zanchetta, O Estado de S.Paulo

05 Janeiro 2011 | 00h00

O Rio Atibaia transbordou ontem em 1,2 metro fora de sua calha e obrigou a Defesa Civil Estadual a remover 450 famílias de 11 bairros alagados em Atibaia, a 100 quilômetros da capital. Cenas comuns em janeiro de 2010 voltaram a repetir-se na cidade de 110 mil habitantes, com famílias inteiras do bairro de classe média Parque das Nações removidas em barcos da Defesa Civil Estadual durante todo o dia. A elevação no nível de água do manancial, que chegou a 4,2 metros de profundidade, também causou enchentes em outras 14 cidades na região de Campinas.

A previsão de novos temporais hoje no interior pode elevar ainda mais o nível do Atibaia e colocar outros bairros e cidades debaixo d"água. Nos últimos dois dias choveu 162,9 milímetros na cabeceira do manancial, quase o dobro da precipitação registrada na capital desde domingo. Existe também o risco de deslizamentos e de novas inundações em municípios cruzados pelo rio, como em Nazaré Paulista, Piracaia e Bragança Paulista.

Hotéis, condomínios e marinas localizados às margens do Rio Atibaia, ao lado da Rodovia D. Pedro I, foram tomados pelas águas que vazaram de suas margens. Em Bom Jesus dos Perdões, também ao lado do rio, moradores do bairro Vila Galícia e dos Condomínios Atibainha e Marina deixaram suas casas. Ao longo do curso do Atibaia, propriedades rurais com plantações de morango e figo ficaram inteiramente submersas. Da Rodovia D. Pedro I também era possível ver cavalos e bois tentando andar em pastos alagados pelas águas do rio.

Segundo a prefeitura de Atibaia, a enchente deste ano não foi causada pelo transbordamento dos reservatórios do Sistema Cantareira, gerenciados pela Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp). No ano passado, a cheia do rio deixou cerca de 2 mil famílias desabrigadas na região. Na época, a Sabesp chegou a ser responsabilizada pelas prefeituras do interior, que acusaram a empresa de abrir as comportas dos reservatórios do Cantareira.

"Ao contrário de 2010, neste ano foi apenas o excesso de chuva na cabeceira do rio que causou os transbordamentos", informou a prefeitura. Dois abrigos em escolas municipais foram colocados à disposição dos moradores.

Indignação. Os moradores do Parque das Nações estavam indignados com a nova enchente no local. Ontem pela manhã, após o Atibaia transbordar, a água subiu em menos de meia hora. "Agora vou ter de mudar para a casa da minha mãe por mais um mês", reclamou a farmacêutica Rosana dos Santos, de 32 anos. No fim da tarde, ela teve de deixar seu sobrado de barco com o filho de 3 anos e seu cachorro poodle. "No ano passado, demorei 27 dias para voltar para casa. Quero ver agora." Na periferia de Atibaia, as inundações atingiram principalmente o Bairro Caetetuba.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.