Rio: ação contra jogo do bicho prende 44

Entre eles está o ex-prefeito de Teresópolis; Anísio da Beija-Flor é considerado foragido

PEDRO DANTAS / RIO, O Estado de S.Paulo

16 Dezembro 2011 | 03h05

Uma operação da Polícia Civil do Rio contra o jogo do bicho mobilizou 630 policiais e 120 delegados e prendeu 44 pessoas ligadas à contravenção. No entanto, dos cinco chefes procurados, apenas o ex-prefeito de Teresópolis Mário Tricano foi preso. A polícia apreendeu R$ 517 mil em espécie, joias e carros de luxo, entre eles um Cadillac. Além do Rio, prisões ocorreram na Bahia, Pernambuco e Maranhão.

As investigações da Corregedoria Interna da Polícia Civil (Coinpol) começaram há um ano em Teresópolis, na Região Serrana. Comerciantes denunciaram que sofriam pressões de policiais para instalar pontos do jogo de azar em suas lojas. A operação foi batizada de Dedo de Deus, em referência ao principal ponto turístico da cidade.

Segundo a polícia, a quadrilha também atua na capital fluminense, Nilópolis, Duque de Caxias, Niterói e São Gonçalo. Os delegados estimaram que o bando movimenta "dezenas de milhões por mês".

A ação teve ainda um lance cinematográfico, gravado por equipes de TV. A cobertura do bicheiro Aniz Abraão David, o Anísio da Beija-Flor, na Avenida Atlântica, em Copacabana, foi invadida por policiais que desceram de rapel do helicóptero da Coordenadoria de Recursos Especiais (Core). Mas o contraventor não foi encontrado. "Tínhamos a informação de que haveria uma porta blindada, por isso usamos o helicóptero", justificou o delegado Felipe do Vale, da Corregedoria. Ele negou que informações da ação tenham vazado.

Foragidos. Além de Anísio da Beija-Flor, foram denunciados os chefes do jogo do bicho Luiz Pacheco Drummond, o Luizinho Drummond, Hélio Ribeiro de Oliveira, o Helinho da Grande Rio, e Yuri Reis Soares. Só Tricano foi preso. Os outros são considerados foragidos. Dos R$ 517 mil apreendidos, R$ 115 mil estavam no barracão da Beija-Flor, na Cidade do Samba.

Entre os 44 presos ontem estão contraventores que cuidam da logística do jogo do bicho e agentes públicos. Foram presos os PMs Luiz Cláudio Laudino e Marco Antônio Coelho Anchieta. O policial civil Eduardo Murilo Dantas Sampaio, da 64.ª DP (Vilar dos Teles), ainda está sendo procurado. O guarda municipal Aramis Lafere Mesquita, que estava cedido à 59.ª DP de Duque de Caxias, também foi preso.

Segundo a investigação, o jogo do bicho substituiu em alguns pontos os talões de apostas por máquinas semelhantes às de cartões de crédito ou débito. A contravenção teria até um call center para tirar dúvidas sobre o equipamento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.