Ribeirão Preto vai licitar compra de novo radar de trânsito

O pardal fixo vai ficar em uma das avenidas mais movimentada da cidade, que só tem um radar móvel

Brás Henrique, O Estado de S.Paulo

19 de maio de 2008 | 19h52

A Transerp, empresa municipal que fiscaliza o trânsito e o transporte de Ribeirão Preto, vai licitar um radar fixo para instalar num ponto fixo, no cruzamento de duas avenidas movimentadas. O equipamento será instalado por requisição do Ministério Público Estadual (MPE), pois o promotor Sebastião Sérgio da Silveira alega que ocorrem muitos acidentes perigosos no local.   Desde o dia 12 deste mês, um dos dois radares móveis, usados para monitorar o trânsito e multar veículos por excesso de velocidade, está no cruzamento das avenidas Maurílio Biagi - onde é permitido trafegar no máximo a 70 km/h - e Presidente Kennedy, o local citado pelo promotor. Por enquanto, apenas um radar fiscaliza os excessos de velocidade em 21 ruas e avenidas do município.   Segundo o superintendente da Transerp, Antônio Carlos Muniz, a licitação, ainda a ser lançada, deverá durar mais de dois meses. O radar fixo custará entre R$ 50 mil e R$ 60 mil, segundo Muniz. Ele afirma que a introdução de radares na cidade contribuiu para diminuir o número de acidentes e de mortes no trânsito. "Em 2006 tivemos 72 mortes e em 2007 esse número caiu para 62 óbitos, sendo que 42 delas ocorreram com motociclistas", comenta Muniz.   Porém, a hipótese de comprar mais radares móveis está descartada. "Não queremos radar para multar, só para inibir o excesso de velocidade", afirma Muniz. O superintendente da Transerp diz que se preocupa com possíveis abusos e acidentes graves em avenidas movimentadas, no momento, devido à ausência do segundo radar na fiscalização.   A multas registradas pela Transerp somam, mensalmente, entre R$ 900 mil e R$ 1 milhão. Cerca de R$ 150 mil são por excesso de velocidade, detectadas pelos radares móveis, que são fixados em quatro ruas ou avenidas diariamente.   As quatro outras principais infrações, anotadas por agentes de trânsito são o desuso do cinto de segurança, o uso de telefone celular pelo motorista, estacionamentos irregulares e avanço do sinal vermelho.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.