Réus em chacina de Batatais terão novo julgamento

Adolescente de 13 anos teria ajudado pintor e namorada a matar cinco pessoas em troca de maconha

Brás Henrique, Estadão

25 de setembro de 2007 | 14h42

Os réus do crime que ficou conhecido como 'Chacina de Batatais', na região de Ribeirão Preto, ocorrida em 26 de maio de 2002, vão a novos julgamentos em outubro e novembro. O pintor de paredes Carlos Fabiano Faccion e a namorada Edna Emília Milani são acusados de assassinar a facadas e golpes de barra de ferro, por motivos fúteis, cinco pessoas da mesma família.  Os dois teriam tido ajuda de um adolescente de 13 anos, que teria recebido meio quilo de maconha para ajudar no assassinato de Carlos Roberto, Maria Aparecida, Elaine, Lucas e a Thalia. Todos dormiam. Todos eram parentes de Faccion. O motivo do crime: a família não concordava com o romance dele com Edna, que tinha passagens por tráfico de drogas. Ele foi condenado a 140 anos de prisão pelos cinco homicídios quadruplicamente qualificados, um aborto e uma tentativa de homicídio, em seu primeiro julgamento. Faccion será julgado em 4 de outubro. Edna, condenada a 132 anos de prisão, irá a júri novamente em 22 de novembro. Os novos julgamentos da dupla foram marcados após recursos de protesto, pois uma das penas (sobre o assassinato de Thalia Faccion, de 3 anos), nos dois processos, excedeu os 20 anos de prisão. As demais condenações foram mantidas.

Tudo o que sabemos sobre:
chacina de Batataisnovo julgamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.