Retiradas quatro agulhas do pescoço do menino

O menino ficou bem depois da operação que durou três horas

Tales Azzoni, da Associated Press,

29 de dezembro de 2009 | 03h27

Um grupo de médicos extraiu quatro agulhas do pescoço do menino baiano de dois anos cravadas pelo padrasto que disse ter tido intenção de matá-lo para vingar-se da esposa.

Os médicos tiveram êxito na operação do menino na cidade de Salvador para tirar as agulhas, incluindo uma perto da coluna vertebral. O menino estava em bom estado depois da operação de três horas, disse Susy Moreno, porta-voz do hospital.

Na semana passada os médicos retiraram 14 agulhas dos intestinos, fígado e bexiga do menino. Em uma operação anterior extraíram dele quatro agulhas perto do coração e pulmões.

A polícia tem acusado o padrasto, Roberto Carlos Magalhães, de 30 anos, de tentativa de assassinato. Magalhães disse durante uma entrevista de televisão que tentou matar o menino como vingança contra sua mulher. A polícia também acusou do crime a amante de Magalhães, Angelina Ribeiro dos Santos, de 47 anos.

O acusado disse que drogou o menino com uma mescla de vinho e água, e que fez com que Dos Santos o segurasse contra o solo enquanto injetava quase três dezenas de agulhas em seu corpo. Indicou que o pequeno estava muito bêbado para chorar enquanto as agulhas eram inseridas, mas sentiu dor depois que passou o efeito do álcool.

Magalhães disse que pensou que as agulhas matariam o menino se que ninguém o descobrisse.

As agulhas foram descobertas através de raio X e depois das contínuas queixas que forçaram sua mãe a levá-lo ao hospital.

Os médicos não planejavam operar o menino no pescoço até mais tarde nesta semana, mas novas provas determinaram que a agulha próxima a coluna vertebral poderia lhe causar danos se não fosse extraída imediatamente.

A polícia tem investigado uma pessoa que supostamente preparou o fermentado de vinho que tomou o menino, mas esse suspeito ficou livre de responsabilidades.

Tudo o que sabemos sobre:
agulhasmeninoSalvadorpadastrocirurgia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.