Werther Santana/AE
Werther Santana/AE

Restaurantes de comida mexicana estão em festa

Estabelecimentos em São Paulo fazem cardápio especial para comemorar o bicentenário da independência do México

Ana Bizzotto, O Estado de S.Paulo

15 Setembro 2010 | 00h00

Na noite de hoje, cada mexicano, onde estiver, tem um compromisso marcado: a comemoração do bicentenário do início da independência do país, que demorou 11 anos para ser consolidada. Em São Paulo, restaurantes e o Consulado do México se preparam para comemorar a data com muita comida e música típica - e o famoso grito da independência.

A mexicana Antonieta Pozas, proprietária do restaurante La Mexicana, preparou para hoje e amanhã um menu especial: além dos pratos do cardápio, os clientes poderão pedir pambazo (pão frito em molho de pimenta e recheado com carne, frango ou pé de porco - R$ 12), pozole (sopa de milho apimentada - R$ 22) e ceviche mexicano (R$ 15 a porção individual). Também haverá música típica tocada por um casal de mariachis.

A casa, localizada na Vila Olímpia, na zona sul, foi toda enfeitada com bandeirolas e símbolos com as cores da independência. "Essa data tem um significado muito importante para nós. Foi a libertação para sermos nós mesmos, vivenciarmos nossas próprias crenças, valores e cultura", diz Antonieta, orgulhosa por ter nascido na cidade de Querétaro, o berço da independência.

"Josefa Ortíz de Domínguez era mulher do prefeito e ajudou a organizar o movimento de independência. Quando tudo foi descoberto pelo marido, ela mandou alguém ir a Dolores a cavalo avisar ao padre Hidalgo, que conclamou o povo a lutar pela libertação gritando "Viva México!"", conta Antonieta.

No restaurante Obá, nos Jardins, a semana toda é de festa pela independência: até domingo, além do menu da casa, o cliente pode pedir um menu-degustação com petisco, entrada, prato principal e sobremesas (12 opções ao todo, R$ 79) - hoje à noite, apenas o menu-degustação será servido. "São pratos tradicionais, que no México se come na rua, na casa da mãe, na quermesse. Muitos foram servidos em outros festivais e decidi montar esse cardápio especial para agradar aos clientes que sentiram saudades", conta o restaurateur mexicano Hugo Delgado, um dos proprietários do Obá, que faz o festival pelo sexto ano consecutivo.

Hoje, a noite será animada por um grupo de mariachi e, pouco antes da meia-noite, Delgado tocará o sino e dará o grito da independência. "Já passei o 15 de setembro em vários lugares do mundo. Em todos, os mexicanos se juntam para comemorar. No México, é uma festa muito grande, o país fica todo decorado o mês inteiro", conta. "Cada prefeito, cada chefe de família dá o grito. Quando termina, todos se abraçam como se fosse ano-novo e aí começa a festa. Meu pai sempre liga para celebrar e me faz ouvir o grito lá do México."

Variedade. A cozinheira mexicana Lourdes Hernandez, famosa pelos jantares e almoços que costuma fazer em sua casa, assina os menus que o restaurante Galani, no hotel Ceasar Park, na Vila Olímpia, preparou para esta semana. Até sexta-feira, os clientes poderão degustar diversas combinações de menu no almoço e no jantar, alternando entre pratos tradicionais e outros mais comemorativos.

"Como tivemos a oportunidade de trazer os ingredientes por via diplomática, fiquei muito empolgada. Quando se cozinha com ingredientes originais os sabores mudam."

Haverá um grupo de mariachis e uma dupla de bailarinos mexicanos, além de um sommelier e um tequiller importados do país para a festa. Eles promoverão a degustação de cinco vinhos e quatro tequilas mexicanas, entre elas a Sete Léguas, uma das mais tradicionais. Além das margaritas (R$ 14), a grande atração será a caipirinha com mescal e priprioca (R$ 21). "A receita original, com cachaça, é do Alex Atala. Ele não só compartilhou a receita como nos forneceu a priprioca. Troquei a cachaça por mescal e acrescentei a pimenta. É oportunidade única de provar o mescal, que não é vendido no Brasil", conta Lourdes.

Às 23 horas, o jantar será suspenso para o grito. "Vamos falar da história da independência e brindar por nossos heróis, todos que fizeram do México uma nação", diz a cozinheira, que também está assessorando a elaboração do menu da festa que será promovida pelo Consulado do México, que será no salão de eventos do hotel. Cerca de 400 mexicanos são esperados para o evento fechado. Os convidados receberão um livro com a história da independência do país. O grito será proclamado pelo embaixador do México no Brasil, Alejandro de la Peña Navarrete.

PARA ENTENDER

Padre Hidalgo deu o grito de independência

Conhecido no México como "O Pai da Pátria", Don Miguel Hidalgo y Costilla era sacerdote em Dolores, Estado de Hidalgo. Na madrugada do dia 15 para 16 de setembro de 1810, ele tocou o sino para reunir o povo e convocá-lo a lutar para libertar o país da monarquia espanhola, então dominada por Napoleão Bonaparte. O fato é conhecido como "O Grito" de Independência. Nas festas são usados enfeites verdes, brancos e vermelhos, cores da bandeira do Exército Trigarante - vencedor da luta de 11 anos -, que representam independência, pureza e união.

ENCHILADAS VERDES COM ARROZ MEXICANO

Ingredientes

6 tortillas; 1 vidro de molho de chile jalapeño (salsa verde, vendida em supermercados); 1 peito de frango; 150g de mussarela ralada; 150g de arroz tipo 1; 2 tomates; 3/4 de cebola; 2 dentes de alho; ervilha, cenoura cozida, milho, sal e óleo a gosto.

Preparo

Cozinhe o frango com água, sal, 1/4 de cebola e 1 dente de alho. Desfie, recheie as tortillas e dobre-as. Cubra com o molho, jogue o queijo e esquente até derreter. Frite o arroz e faça um molho com tomates, 1/2 cebola e 1 dente de alho batidos e misturados ao caldo do frango fervente. Jogue no arroz e cozinhe até ficar sequinho. Acrescente ervilha, milho e cenoura.

Rendimento

Duas porções

Serviço

GALANI: RUA OLIMPÍADAS, 205; 3049-6689. OBÁ: RUA DR. MELO ALVES, 205; 3086-4774. LA MEXICANA: RUA MINISTRO JESUÍNO CARDOSO, 513.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.