Renascer e MP acertam plano de demolição de templo

Empresa reponsável por derrubar o que restou da sede da igreja, cujo teto ruiu, será a Diez

Elvis Pereira, estadao.com.br

21 Janeiro 2009 | 19h44

A defesa da Igreja Renascer em Cristo e a Promotoria de Justiça de Habitação e Urbanismo acertaram nesta quarta-feira, 21, o plano de demolição do que restou da sede internacional no Cambuci, centro de São Paulo, cujo teto desabou no domingo. O desastre provocou a morte de 9 mulheres e deixou mais de 100 pessoas feridas.  Veja também:MP apura furto de cavalos do casal Hernandes Igreja Renascer divulga lista das vítimas do desabamento Galeria de fotos: imagens do local e do resgate às vítimas  Todas as notícias sobre o desabamento na Igreja Renascer   A obra será executada pela empresa Diez, segundo a assessoria de imprensa da igreja. Para começá-la, a demolidora aguarda agora a aprovação da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) e da Polícia Técnica. Segundo o jornal SPTV, da TV Globo, a demolição será iniciada nesta sexta-feira, 23.  O advogado da igreja, Roberto Ribeiro, se reuniu por mais de três horas com a promotora Mabel Tucunduva Schiavo Prietto de Souza para decidir os detalhes da demolição. Esta quarta foi o prazo final dado pelo Ministério Público para que a Renascer apresentasse o plano para derrubar os muros do templo.  Com a queda do teto, os muros do local ficaram comprometidos com rachaduras e vigas quebradas. E para que os técnicos do Instituto de Criminalística (IC) façam a perícia no templo o local deve estar seguro, para que não ocorra nenhum outro acidente. Por causa do risco que existe de os muros caírem, nove imóveis - oito casas e uma loja - nos arredores da sede mundial da igreja foram interditados pela Defesa Civil. Cerca de 15 pessoas estão desalojados - vivendo na casa de parentes ou num hotel - por conta disso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.