Remédio definitivo só existe um: transporte público

Análise: Creso de Franco Peixoto

O Estado de S.Paulo

06 de março de 2012 | 03h05

Com a redução nos índices de congestionamento na manhã de hoje (ontem), uma maior fluidez foi perceptível nos horários de pico. Ganha o trabalhador que vive nos subúrbios paulistanos, ganha o executivo da grande metrópole.

Contudo, entre os períodos de rush - quando a cidade parece menos acometida pela doença do congestionamento -, agora parece para o motorista que o trânsito está ruim o dia todo. Isso porque os motoristas de veículos de carga ficam esperando as horas "livres" para poder trafegar.

A restrição causa uma situação análoga à do paciente que é levado diversas vezes para o hospital na iminência de um derrame. Passa a dor de cabeça do doente, mas não cura seus males.

O remédio existe: transporte público urbano. Bus Rapid Transit (BRT), metrô. Esperemos que o poder público parta efetivamente para a melhoria e implementação de reais planos de saúde para a viagem urbana, focados em transporte rápido e confiável. A possível reprovação popular à redução do espaço para os carros será trocada pelo reconhecimento da "alta do paciente", como um ente querido que sai do hospital para o convívio pleno, sem precisar de telefone de emergência toda noite.

 

*É PROFESSOR DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL INACIANA (FEI), MESTRE EM TRANSPORTES

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.