Religiosa, dona de casa morreu levando a 'Bíblia'

A dona de casa Fabiane Maria de Jesus, de 33 anos, nasceu no Rio, mas se mudou para o Guarujá com apenas 1 ano de idade. Viveu até os 15 em uma área de risco perto do bairro Morrinhos. Foi quando se mudou para a comunidade onde conheceu seu marido, o porteiro Jailson Alves das Neves, de 40 anos.

O Estado de S.Paulo

07 Maio 2014 | 02h02

Eles se casaram pouco depois. Na época, Neves tinha 22 anos. Depois de perder o primeiro filho, ela passou a ter problemas de depressão. "Mas nunca deixou de ser alegre nem vaidosa", diz o cunhado Nildo Neves. Depois de ter duas filhas, Fabiane voltou a estudar.

A dona de casa frequentava grupo de oração e era voluntária na Paróquia São João Batista, em Morrinhos. Ela morreu justamente depois de ir à igreja buscar uma Bíblia. Havia deixado o livro para uma amiga ler um Salmo em seu aniversário. O livro, rasgado, foi devolvido a sua mãe após o crime.

Uma das muitas versões para o início das agressões é que a dona de casa havia sido vista com uma criança sozinha na rua, brincado com ela.

O gesto de uma mãe de duas filhas, que cuidava durante o dia de mais três crianças, filhas de uma sobrinha, foi o bastante para que um bairro amedrontado com boatos de rituais de magia negra com crianças sequestradas a condenasse à pena de morte. Por quase duas horas, Fabiane foi espancada no sábado. Morreu anteontem. / B.R.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.