Relatório desqualifica 'desaceleração do aquecimento'

Não foi por acaso que os experts do IPCC acentuaram o caráter histórico das mudanças climáticas no relatório publicado ontem. Ao enfatizar os dados "paleoclimáticos", ressaltando recordes que datam de décadas, séculos e milênios, cientistas e delegados nacionais tornaram clara a tendência ao aquecimento global e desmontaram as críticas sobre os últimos 15 anos de estatísticas, que apontaram um momento de desaceleração do aumento da temperatura média da Terra.

CENÁRIO: Andrei Netto, O Estado de S.Paulo

28 Setembro 2013 | 02h06

No seu relatório, o IPCC decidiu manter o ponto mais polêmico, que fazia a menção à suposta "desaceleração" do aquecimento entre os anos de 1998 e 2012. Depois das negociações, o artigo que fazia referência ao assunto foi modificado, incluindo ponderações sobre a irrelevância científica de projeções de curto prazo e elencando respostas possíveis para a "desaceleração", como a ocorrência de El Niño, o fenômeno que resulta no aquecimento das águas do Oceano Pacífico.

Ao final, o trecho foi mexido. "Além do robusto aquecimento de várias décadas, a média global de temperatura na superfície exibe uma variação substancial interanual e a cada cinco décadas. Em razão da variação natural, tendências baseadas em apenas seis registros são muito sensíveis às datas de início e fim e em geral não refletem tendências de longo termo", diz o texto final, que ressalta ainda que, se a sequência de 15 anos for medida a partir de 1995, 1996 ou 1997, o aumento da temperatura média da Terra no período seria de 0,13ºC, 0,14ºC e 0,07ºC por década, respectivamente, o que também desconstrói os argumentos dos "negacionistas".

A estratégia do IPCC foi confirmada ao Estado pelo número 2 do organismo, Jean-Pascal van Ypersele. "Havia mais artigos, mais informação científica que remontava ainda mais longe na história. Foi útil colocar em perspectiva os dados dos últimos 150 anos e o que vai se passar no futuro", disse van Ypersele. "Quinze anos é a metade do período clássico que usamos para definir o clima. Não faz sentido fazer análises nesse período tão curto, até porque ninguém nunca afirmou que não há flutuações na temperatura em períodos curtos."

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.