Reitoria tinha pichações e muito lixo amontoado

Objetos pessoais foram deixados para trás e paredes tinham frases do tipo: 'Ocupe a Reitoria que existe em você'

PEDRO DA ROCHA, O Estado de S.Paulo

09 Novembro 2011 | 03h01

Pouco depois de o edifício da Reitoria da USP ser desocupado pelos homens da Tropa de Choque da Polícia Militar, o que mais se via no térreo eram pichações pelas paredes e sujeira. "O tempo passa, o tempo voa e a Reitoria continua numa boa" e "Ocupe a Reitoria que existe em você! Aqui é um lugar de pensamento livre, entendeu?" eram algumas das frases pintadas.

Logo na entrada cadeiras estavam amontoadas e, dentro, algumas portas haviam sido arrombadas - não se sabe se pelos alunos ou pela polícia no momento da reintegração. Em cartazes, feitos dentro dos ônibus da Polícia Militar para onde foram levados depois de serem detidos, estudantes escreveram "Somos acusados de quebrar e depredar as portas que a PM arrombou".

Objetos pessoais dos estudantes foram deixados para trás. Roupas, mochilas e até um passaporte estavam espalhados pelo chão. Colchões, cobertores e barracas de acampamento com os quais os estudantes passaram as noites ficaram amontoados em um dos saguões do local.

Papéis e lixo. Apesar dos cartazes com os dizeres "Mantenha o ambiente limpo", feitos pelos universitários, havia muito lixo, papéis e jornais jogados pelo chão. Cadeiras e sofás foram empilhados no canto de um dos ambientes. Alguns equipamentos eletrônicos, como uma impressora, estavam no piso. Tintas usadas para pintar as paredes e cartazes, além de algumas "instalações artísticas" ficaram no piso. Na tela de uma televisão estava pintado o slogan "Faz de conta que a escolha é sua". Para as horas de lazer, havia baralhos e instrumentos musicais, como um pandeiro.

Em um vidro em outro ponto do prédio estava escrito, como em uma história em quadrinhos, a seguinte pergunta: "E a oficina de coquetel molotov?". A resposta estava abaixo, em meio a uma explosão: "Bang, bang".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.