Reitores querem trocar reajuste por benefícios

Unicamp e Unesp fazem proposta para encerrar greve e manter salários congelados; vivendo uma crise maior, USP não se manifesta a respeito

VICTOR VIEIRA, O Estado de S.Paulo

10 Julho 2014 | 02h01

Sem reajuste para professores e funcionários, a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e a Universidade Estadual Paulista (Unesp) ofereceram nesta semana melhorias de benefícios e na jornada de trabalho. Os reitores tentam encerrar logo a greve das categorias, mesmo com salários congelados. A Universidade de São Paulo (USP), cuja crise financeira foi a que mais pesou no veto ao aumento, não fez propostas.

O fórum de entidades sindicais reforçou que não discutirá pautas específicas das universidades, o que será feito só depois do fim da negociação salarial conjunta, como ocorreu nos últimos anos. Para professores e funcionários, dividir o debate de propostas fragiliza o movimento. Alunos das três instituições também apoiam a greve, que já dura seis semanas. Os reitores têm pressa de resolver o impasse antes da volta às aulas.

Tentativa. A Unicamp propôs nesta semana, sob condição de término da greve, equiparar os valores do auxílio-refeição dos servidores da instituição com o mesmo benefício recebido pelos funcionários da USP. Já a reitoria da Unesp se reuniu anteontem com representantes dos docentes e servidores. A oferta, não aceita, foi de elevar em 41,6% o vale-alimentação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.