Rei da Espanha faz acordo de imigração

Em visita a Dilma, em Brasília, Juan Carlos diz que autoridades preparam 'medidas efetivas' para agilizar a entrada de brasileiros

LISANDRA PARAGUASSU, BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

05 de junho de 2012 | 03h02

Depois de um dia inteiro de reuniões em Madri e em meio à visita do rei espanhol Juan Carlos I à presidente Dilma Rousseff, em Brasília, um acordo foi feito entre os dois países e novas medidas podem ser anunciadas hoje para facilitar a entrada dos brasileiros no país europeu. O rei chegou a mencionar "medidas efetivas" para pôr fim à tensão diplomática.

Uma das mudanças que poderão entrar em vigor é a possibilidade de um diplomata da Embaixada do Brasil em Madri ter passe livre para visitar o Aeroporto de Barajas, quando chegam os principais voos com brasileiros, para verificar se há algum problema. Em uma visita feita ontem pelo grupo de diplomatas brasileiros que estava na Espanha negociando as mudanças, verificou-se, por exemplo, que a comunicação com diplomatas é muito difícil. Os celulares são confiscados e o turista precisa pagar 5 para fazer uma ligação, mesmo quando o número dá ocupado ou a chamada não é concluída.

Há outros pontos que o Brasil exigiu negociar, mas apenas hoje se deverá confirmar o que de fato será posto em prática. Entre as principais exigências brasileiras estavam uma linha direta com o governo da Espanha para tentar reverter decisões consideradas injustas na imigração e um relaxamento na exigência da chamada carta-convite, especialmente para aqueles que estão apenas de passagem e não vão ficar na Espanha. O modelo de carta espanhol é tão complicado que exige uma "prova de amizade ou parentesco" com a pessoa que vai receber o viajante - uma foto juntos, por exemplo.

As informações do Itamaraty são de que a reunião foi satisfatória para os dois países. Não há, no entanto, detalhes sobre o que a Espanha cedeu.

O tema foi um dos assuntos tratados no encontro ontem entre o rei espanhol e a presidente Dilma. Em seu discurso durante o brinde no Itamaraty, Juan Carlos deixou claro que esperava para breve o anúncio de medidas para facilitar a entrada de brasileiros.

"Sabemos que foram colocados alguns problemas nos últimos anos, mas as autoridades competentes espanholas estão estabelecendo medidas efetivas que agilizarão os trâmites para facilitar a entrada de cidadãos brasileiros", afirmou o rei. A presidente citou de passagem em seu discurso os problemas dos brasileiros, afirmando que estavam sendo resolvidos.

Durante o encontro entre a presidente e o rei, o chanceler espanhol, José Manuel Garcia Margallo, relatou que antes de sair da Espanha havia se reunido com as autoridades policiais e de imigração do país para apresentar um plano de melhoria do acesso dos brasileiros.

Empenho. O ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, afirmou que agora parece haver "vontade política" para resolver o problema.

"O que queremos é evitar as arbitrariedades e uma política não discriminatória", disse o porta-voz do Itamaraty, embaixador Tovar Nunes. "O Brasil não gosta de saber que há outros povos latino-americanos com a entrada mais facilitada." Entre eles, chilenos e mexicanos.

Os espanhóis decidiram pela negociação depois que o Brasil decidiu, há dois meses, colocar em prática a reciprocidade, como uma quantidade de dinheiro definida de acordo com os dias de estada e uma carta-convite registrada em cartório, caso o turista não fique em hotel. Somente no mês de abril, 30 espanhóis foram barrados no Brasil.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.