Regularizar é lotear o espaço público?

Em pauta

, O Estado de S.Paulo

06 de dezembro de 2010 | 00h00

Maurício Januzzi

SIM

É uma atitude temerária, da Prefeitura e da PM, tentar coibir uma ação ilegal regularizando-a. É uma saída fácil, simplesmente regularizar a informalidade. As ruas são bens de todos, dos cidadãos que pagam impostos, e certamente serão levantados impeditivos legais no momento em que houver a tentativa de institucionalizar esse loteamento. É uma opção fácil da Prefeitura: em vez de investir em bons estacionamentos, principalmente subterrâneos, cogita-se legalizar a irregularidade. Qual o próximo passo? Legalizar o camelô, que vende mercadorias sem pagar impostos? É inexplicável o Ministério Público e a Prefeitura cogitarem dar guarida a esse tipo de conduta, que é ilegal, associada ao crime de extorsão. É loteamento de espaço público e legalização da extorsão.

PRESIDENTE DA COMISSÃO DE ASSISTÊNCIA

JUDICIÁRIA DA OAB-SP

Dirceo Torrecillas Ramos

NÃO

A Constituição garante aos municípios o direito de organizar seus serviços públicos diretamente, por meio de concessão, ou permissão a terceiros. É nesse caso que se enquadra a questão da regularização dos flanelinhas. Assim como há funcionários ligados à administração vendendo talões de Zona Azul nas ruas, os flanelinhas atuariam também como guardadores oficiais de carros. É mais um serviço público de interesse local a ser oferecido. Como haveria exigência de ficha limpa, a população teria melhores condições de saber quem está cuidando dos veículos e, assim, a sensação de segurança seria maior. Vejo como mais uma maneira de organizar o espaço público, com a regularização de quais ruas seria permitido e coibindo os abusos geralmente cometidos.

PROFESSOR DE DIREITO CONSTITUCIONAL DA ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DE SÃO PAULO DA FGV

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.