AFP
AFP

Nº de consumidores que receberam bônus na conta de água cai 33%

Desde janeiro, os clientes da Sabesp precisam consumir 22% menos água para manter o mesmo benefício na fatura

Fabio Leite, O Estado de S. Paulo

07 Março 2016 | 21h22

SÃO PAULO - O número de consumidores na Grande São Paulo que receberam desconto na conta por economia de água caiu 33% em fevereiro, conforme os dados divulgados nesta segunda-feira, 7, pela Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp). Foi o primeiro balanço do programa de bônus após a mudança nas regras, que dificultou a concessão do incentivo, lançado em fevereiro de 2014.

Desde janeiro deste ano, depois que o Sistema Cantareira deixou de operar no volume morto, os clientes da Sabesp precisam consumir 22% menos água para manter o mesmo benefício na fatura. A medida foi aprovada no dia 23 de dezembro pela Agência Reguladora de Saneamento e Energia do Estado de São Paulo (Arsesp) e deve diminuir as perdas de receita da Sabesp com o bônus - R$ 1,38 bilhão de “renúncia” desde o início do programa.

Segundo a Sabesp, o número de clientes que receberam entre 10%, 20% e 30% de desconto na conta por economia de água caiu de 66% em janeiro para 44% no mês passado. Enquanto isso, o total de consumidores que continuaram gastando menos água do que antes da crise, mas não tiveram bônus, subiu de 11% para 33%. 

Os dados mostram ainda que o volume economizado pelos cerca de 20 milhões de clientes da Grande São Paulo caiu de 5,6 mil para 5,2 mil litros por segundo. Apesar disso, o número de consumidores que gastaram mais água em fevereiro do que a média antes da crise ficou estável em 23%. Já os clientes multados por gastar mais água chegaram a 15%, índice recorde desde o início da sobretaxa de até 50% na conta, em janeiro de 2015. “Estamos em uma situação mais tranquila, porém precisamos continuar com as medidas de gestão de recursos hídricos e conservação de água”, afirma Antonio Eduardo Giansante, professor de Engenharia da Universidade Mackenzie. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.