Região é o último reduto irregular de ambulantes

Por trás da repressão aos camelôs está em jogo a liberação do último grande bolsão de comércio irregular na capital. Desde o início da Operação Delegada na cidade, em dezembro de 2009, todas as outras zonas de camelôs foram extintas, como na Rua 25 de Março, no Largo da Concórdia e no Largo 13.

O Estado de S.Paulo

27 Outubro 2011 | 09h31

Como a Prefeitura não emite novas permissões para camelôs há anos, vários desses ambulantes acabaram indo para o último reduto sem fiscalização, perto da Feirinha da Madrugada. Desde 2010, o número de trabalhadores nas ruas e calçadas do Brás passou de 8 mil para 12 mil, segundo o sindicato dos ambulantes. Por isso, os camelôs estão ainda mais preocupados com a promessa da Prefeitura de acabar com o comércio irregular ali, pois não terão nenhum outro lugar para montar as tendas. / F. F. e R. B.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.