Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

Morumbi tem dois arrastões em uma semana; um deles com metralhadora

Secretaria da Segurança Pública promete aumentar policiamento no bairro da zona sul da capital paulista

Luiz Fernando Toledo, O Estado de S.Paulo

16 Outubro 2017 | 17h36
Atualizado 16 Outubro 2017 | 22h34

SÃO PAULO - Uma quadrilha usou uma metralhadora durante um arrastão cometido na Rua Francisco Tramontano, na região do Morumbi, zona sul de São Paulo. O caso, da sexta-feira passada, se somou a outro, do dia 10, em que assaltantes agiram na Ponte do Morumbi, formando um cenário de medo para os moradores da área. Nesta segunda-feira, 16, a Secretaria da Segurança Pública prometeu intensificar o policiamento para evitar novos crimes similares na região.

+++ Secretário de Segurança Pública afirma que vai intensificar a ação da polícia no Morumbi

Na terça, causaram repercussão as imagens gravadas por motoristas que passavam pela Ponte do Morumbi e se viram encurralados por assaltantes. Eles pularam uma grade que separa os diferentes sentidos da via e, com pedras, quebraram as janelas dos veículos para roubar o que conseguiam pegar.

+++ Policial é assassinado em padaria da zonal sul da capital

O caso da sexta veio à tona nesta segunda-feira, também com a divulgação de imagens. A gravação mostra três homens armados, um deles com uma metralhadora, que pararam motoristas em uma rua próximo à Ponte do Morumbi. O primeiro veículo foi parado na Rua Francisco Tramontano. A imagem mostra a arma empunhada em direção ao para-brisa do veículo, enquanto o roubo acontece. 

“A pressão nossa é constante. Mas também sabemos que as polícias não têm efetivo suficiente para resolver tudo. Esse é o maior problema. A polícia prende um e outro foge. Falta policial para investigar todos os casos com a urgência que seria necessária”, disse o presidente do Conselho de Segurança (Conseg) do Morumbi, Celso Cavalini. “Quando há um caso desses, a polícia reforça a segurança na região, mas o ladrão muda de local.”

O investigador-chefe Arnaldo Evangelista, do 96.º DP (Berrini), afirmou que o caso foi isolado e que crimes do tipo eram comuns no ano passado. Mas a quadrilha que atuava na região, diz ele, foi presa. “Prendemos muitas pessoas lá. Eles iam com pedras, quebravam o vidro e assaltavam mulheres. Conseguimos identificar oito e os prendemos dentro da favela do Paraisópolis. Esse fato que aconteceu agora foi isolado”, destacou. 

Já a Polícia Militar informou, em nota, que desde a última terça, o policiamento na região do Morumbi foi reforçado. “Tanto o 16.º batalhão da Polícia Militar quanto o 12.º reorientaram o policiamento na área e empregaram a Operação Visibilidade, com pontos de estacionamentos nos locais de maiores incidências criminais e bloqueios policiais.”

À Rádio Bandeirantes, o secretário da Segurança, Mágino Alves Barbosa Filho, disse que haverá uma ação específica na região. “A população precisa dessa resposta. Vamos agir com muita firmeza e alcançar esses criminosos que circulavam naquela rua.”

Segundo ele, com base nas imagens, um inquérito policial foi instaurado para apurar a ação dos criminosos. 

Dados

O total de roubos caiu 6,7% nas três delegacias que atendem a região entre janeiro e agosto, ante o mesmo período de 2016. No 96.º DP, foram 763 roubos registrados, ante 910 no ano passado. No 34.º DP (Vila Sônia), o número caiu de 1.305 no ano passado para 1.286. Já o 89.º DP (Portal do Morumbi) teve 938 casos, ante 987 até agosto de 2016.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.