Reformas de Congonhas terminam em junho, diz Infraero

Segundo Pereira, obras estão no prazo; reforma de Cumbica começa em julho

Agencia Estado

19 de junho de 2007 | 11h05

O presidente da Infraero, brigadeiro José Carlos Pereira, afirmou nesta segunda-feira, 18, que as obras da pista principal do Aeroporto de Congonhas, na zona sul de São Paulo, estão dentro do cronograma e devem ser concluídas até o final de junho. "Será menos um gargalo para o setor", disse.Segundo Pereira, que participou nesta segunda do seminário "Um Novo Modelo de Gestão do Transporte Aéreo", a reforma da segunda pista do Aeroporto Internacional de São Paulo, em Cumbica, será iniciada em julho e deverá durar cerca de cinco meses.O presidente da Infraero afirmou que a maior parte da obra, que custará R$ 25 milhões, será realizada durante a madrugada, para evitar maiores transtornos aos passageiros. Pereira não detalhou qual será o período de interdição total da pista e se haverá remanejamento de vôos para outros aeroportos.Terceiro aeroportoO presidente da Infraero admitiu que a região da Grande São Paulo precisará de um terceiro aeroporto de grande porte no prazo de 15 anos. Entre as possibilidades está o aproveitamento da atual base aérea de Santos. Pereira ponderou, no entanto, que esta opção necessitaria de investimentos na ligação viária entre a Baixada Santista e a capital.Outra possibilidade cogitada é a transferência de toda a aviação executiva do aeroporto de Congonhas para o Campo de Marte, na zona Norte de São Paulo. Mas, neste caso, ele reiterou que há limitações de ordem ambiental e também restrições por conta das residências próximas ao aeroporto.Pereira contou ainda que o edital para construção do 3º terminal de passageiros do aeroporto de Cumbica deve sair ainda este ano. A obra, avaliada em R$ 1,2 bilhão, deverá ser concluída no prazo de dois anos e meio. Segundo ele, a Infraero pretende realizar a obra de forma modular, de forma a permitir o aumento gradual da capacidade de Guarulhos, e não apenas após o encerramento da obra.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.