Reforma revela arte do século 18 em Itu

Quadros a óleo pintados sobre madeira estavam escondidos há mais de cem anos na Igreja de Nossa Senhora da Candelária

José Maria Tomazela / ITU, O Estado de S.Paulo

09 Setembro 2013 | 02h09

A restauração da Igreja de Nossa Senhora da Candelária revelou pinturas do século 18 na nave principal da matriz, em Itu, a 98 km de São Paulo. Os quadros a óleo pintados sobre madeira com temas do Antigo Testamento estavam escondidos há mais de cem anos sob uma camada de tinta branca, removida na obra. As primeiras análises indicam que a autoria é do frei Jesuíno do Monte Carmelo (1764-1819), um dos expoentes da arte barroca brasileira.

Frei Jesuíno trabalhou com o pintor sacro José Patrício da Silva Manso (1753-1801) na pintura do teto sobre o altar-mor, recentemente restaurada. As prospecções revelaram pinturas antigas sob as paredes do corpo central e nos altares laterais da igreja, mas as tintas mais recentes ainda não foram retiradas. Ante os achados, especialistas do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) já chamam a igreja ituana, construída em 1780, de "Capela Sistina paulista".

A igreja, uma das únicas construções em taipa do Estado que mantêm a estrutura original, está em restauro há 13 anos. Segundo o arquiteto Alberto Magno de Arruda, quando foram retiradas as dez telas do frei Jesuíno da nave do altar-mor para o restauro, observou-se que elas estavam fixadas em fundo de madeira não pintado. "Percebemos que as telas faziam parte da decoração original da nave, pintada de branco há um século. Na prospecção, encontramos a pintura original." A remoção da tinta branca revelou um conjunto de 12 pinturas.

O trabalho se estenderá, por etapas, ao restante da igreja, incluindo os altares laterais, com entalhes em madeira policromada e as imagens originais do século 18. O órgão francês Cavaillé-Coll, do fim do século 19, também será restaurado. "Como recuperamos a acústica original da igreja com a troca do piso de ladrilhos por madeira, vai ser interessante ouvir o som desse órgão", disse Arruda.

Mais conteúdo sobre:
ReformaItu

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.