Reforma quer mudar a imagem do Aeroporto de Cumbica

Reforma quer mudar a imagem do Aeroporto de Cumbica

Obras em Guarulhos começam em outubro nos Terminais 1 e 2 e devem durar 2 anos; custo total deve ser de R$ 200 milhões

Mônica Reolom, O Estado de S. Paulo

23 Setembro 2014 | 03h00

A partir de outubro, os Terminais 1 e 2 do Aeroporto de Cumbica, em Guarulhos, serão reformados. As obras vão durar dois anos e o custo será de R$ 200 milhões. Pelo local passam cerca de 70 mil pessoas por dia.

Após inaugurar o Terminal 3, em 11 de maio, a GRU Airport, que administra o aeroporto, quer levar a arquitetura ampla e iluminada dessa construção aos terminais que já existem. “Vamos tentar colocar no mesmo nível, mas é difícil porque a estrutura desses dois terminais tem 30 anos”, diz o presidente da GRU Airport, Antonio Miguel Marques.

O principal objetivo do projeto é melhorar a circulação de pessoas. A concessionária afirma que aumentará em 16% a área útil dos terminais, mesmo que a área física seja ampliada em apenas 2%. “Vamos remover áreas administrativas e, assim, áreas pouco ou nada utilizadas passarão a ser produtivas.”

Uma das maiores mudanças será a centralização da área de embarque. Hoje, há quatro entradas diferentes para pegar o avião. A partir do fim de 2015, passageiros de voos nacionais e internacionais entrarão pelo mesmo local para passar pelo raio x. “Será mais fácil para o passageiro se orientar”, explica Marques. Com a nova configuração, o Terminal 1 será inteiramente doméstico e o 2, misto. A restituição de bagagens, um dos principais gargalos do aeroporto, também terá área ampliada e as esteiras serão trocadas.

Pior. O objetivo da reforma também é reverter a imagem negativa de Cumbica. Na última pesquisa de qualidade, divulgada pela Secretaria de Aviação Civil em julho, ele aparece em último lugar entre os aeroportos brasileiros, com nota 3,09 de 5. A avaliação ruim, segundo Marques, viria justamente dos usuários dos Terminais 1 e 2. “A percepção do passageiro deve melhorar com as modernizações.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.