Reforma faz vôos de Cumbica serem transferidos para Campinas

Motivo da mudança é o recapeamento da pista principal de Guarulhos, que está saturada há cinco anos

Tânia Monteiro e João Domingos, do Estadão,

03 de agosto de 2007 | 20h29

O Ministério da Defesa decidiu mesmo substituir a operação tapa-buracos na pista principal do Aeroporto Internacional de Cumbica, em Guarulhos, por um trabalho definitivo de recapeamento do asfalto. Faltam apenas detalhes técnicos, como a cabeceira por onde a obra começará. Com o início das obras, provavelmente a partir de terça-feira, 7, 20% dos vôos internacionais que operam em Cumbica serão transferidos para o Aeroporto de Viracopos, em Campinas. A pista principal de Guarulhos tem 3.700 metros. Está saturada, pois seu tempo de operação, em torno de 15 anos, já foi ultrapassado em cinco. A idéia é refazê-la em três etapas. Primeiro, deverá ser isolado um terço, o que possibilitará a liberação de 2.500 metros para as operações de pouso e decolagem. Toda a superfície asfáltica será removida, colocando-se em seu lugar asfalto betuminoso a quente. Sem um terço da pista, aviões como os MD11, Airbus 340 e Boeing 747, usados pela aviação internacional, deverão ser desviados para Viracopos ou Tom Jobim, no Rio. Depois da conclusão da primeira etapa, esta será liberada e será feito o mesmo na outra cabeceira. No início do ano que vem deverá ser feita a terceira etapa, nos 1.300 metros restantes. A pista será entregue totalmente remodelada, como grooving (ranhuras que impedem a formação de lâminas d'água causadoras de aquaplanagem) e duas saídas de emergência ou alta velocidade. Para a construção da parte central, a pista deverá ser interditada por 30 dias. Nesse período só a pista auxiliar operará. A antecipação da obra na pista do Aeroporto de Guarulhos foi sugerida pelo brigadeiro José Carlos ao ministro Nelson Jobim durante uma reunião, na quarta-feira à noite. Jobim pediu uma avaliação da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) e do Departamento de Controle do Espaço Aéreo (Decea), visto que em outubro as chuvas que caem em São Paulo são intensas e costumam atrapalhar o trabalho. Jobim temia que a obra causasse transtornos em Guarulhos, visto que o governo decidiu transferir 20% dos vôos de Congonhas para lá. Para o presidente da Infraero, brigadeiro José Carlos Pereira, o melhor é que a obra seja a definitiva, visto que já foi feita a licitação e a estatal já conta com R$ 11 milhões disponíveis para pagar os custos da reforma.

Tudo o que sabemos sobre:
Crise aéreaCumbicaViracopos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.