Reforma de pavilhão da Ceagesp deve começar em agosto

Obra era exigida pelo Ministério Público desde o ano passado, quando foi constatada falta de[br]segurança no prédio

Nataly Costa, O Estado de S.Paulo

21 de maio de 2011 | 00h00

Com um ano de atraso, a reforma do pavilhão das flores, verduras e do "varejão" da Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo (Ceagesp), na Vila Leopoldina, zona oeste da capital, deve sair em agosto. Pelo menos é essa a previsão da administração da companhia, que abriu na semana passada o edital de licitação para contratar a empresa que fará a obra. A reforma está estimada em R$ 14,5 milhões e vai durar um ano e meio.

A situação do pavilhão de 20 mil metros quadrados conhecido como Mercado Livre do Produtor (MLP) é precária. Em um dos acidentes, um bloco de cimento chegou a cair do teto e vários clientes tropeçaram e caíram por causa dos buracos no chão. Depois de denúncias dos feirantes, o Ministério Público Estadual pediu vistoria no local do Departamento de Controle do Uso de Imóveis (Contru) e de técnicos da Subprefeitura da Lapa, que encontraram o sistema de proteção contra incêndio defasado, infiltrações, fiação exposta, telhado instável e ferrugem no teto e nas pilastras.

A ordem, em outubro do ano passado, foi reformar imediatamente ou interditar o local - nenhum dos dois aconteceu. A administração da Ceagesp encomendou então um laudo estrutural para o Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT), que garantiu que o local era seguro para trabalhar enquanto a obra não começasse.

O presidente do Sindicato do Comércio Atacadista de Flores e Plantas do Estado de São Paulo (Sincomflores), Paulo Murad, acredita que a reforma seja inevitável. "Claro que ainda tem a licitação, um processo que pode ser complicado por uma série de fatores. Mas não tem alternativa, agora tem de sair."

As empresas interessadas na reforma podem visitar o local até 15 de junho. O recebimento e a abertura dos envelopes serão no dia 17 do mesmo mês.

Sem interrupção. Uma das preocupações era sobre a interdição total ou parcial do espaço no decorrer das obras - comerciantes temem ficar "espremidos" no pavilhão ou mesmo terem de mudar de lugar, afugentando a clientela.

Agora, a companhia garante que a reforma será feita "sem a interrupção das atividades do espaço" e a empresa vencedora da licitação deve discutir "um plano logístico com a Ceagesp para minimizar qualquer tipo de transtorno para a comercialização no local ao longo da obra".

O MLP abriga cerca de 2 mil permissionários. Recebe feiras diariamente - a de flores, às terças e sextas; os varejões, aos sábados e domingos; o atacado de verduras, de segunda a sábado.

PONTOS-CHAVE

Crescimento e crises

Inauguração

A Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo (Ceagesp) foi inaugurada em 1969, a partir da fusão de duas empresas de abastecimento já existentes, o Ceasa e a Cagesp, que também pertenciam ao governo estadual.

Volume

Só em 2009, 48 mil toneladas de flores e plantas foram comercializadas no pavilhão do Mercado Livre do Produtor (MLP). A feira existe há 40 anos.

Alagamentos

Por ficar entre os Rios Pinheiros e Tietê, a Ceagesp enfrenta alagamentos frequentes. Em janeiro, a água invadiu 90% das ruas do mercado e estragou 560 toneladas de frutas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.