Reforma de galerias da Pompeia só acaba em 2014

Os moradores da Pompeia, na zona oeste da capital, vão ter de esperar quase três anos até que as obras antienchente previstas pela Prefeitura sejam concluídas. Esse é o prazo previsto para a conclusão da reforma de galerias subterrâneas, que foi oficialmente lançada ontem. O valor total das obras será de cerca de R$ 140 milhões. Esse trabalho será totalmente custeado por recursos pagos pelas construtoras para erguer prédios mais altos na área da Operação Urbana Água Branca.

/ R.B., O Estado de S.Paulo

21 Outubro 2011 | 03h03

O plano inicial para acabar com as cheias da Pompeia era construir um piscinão subterrâneo em algum local próximo do Shopping Bourbon, área que costuma alagar durante a temporada de chuvas do verão.

O projeto, porém, mudou. Agora, a proposta que será contratada é a ampliação da capacidade de escoamento das galerias subterrâneas por onde passam atualmente os Córregos Sumaré e Água Preta. Ambos deságuam no Rio Tietê.

Prazos. O edital municipal foi aberto para empresas se registrarem para a concorrência. A abertura dos envelopes está prevista para o dia 22 de novembro. Caso não haja nenhuma decisão judicial barrando o processo, ainda deverá demorar cerca de dois meses para que os serviços se iniciem - o que, portanto, só deverá começar no início do ano que vem.

Como o tempo de obras previsto pelo edital é de 30 meses, apenas no fim de 2014 é que as obras de reforma das galerias deverão estar concluídas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.