Reforma da Ponte dos Remédios não começou

A obra de recuperação da Ponte dos Remédios, cuja passarela de pedestres caiu há 15 dias, ainda não começou. As empresas contratadas pela Prefeitura para investigar e determinar as causas do desabamento de cerca de 30 metros de passagem para pedestres devem concluir o relatório final na semana que vem. Por enquanto, há um estudo preliminar, entregue anteontem.

FELIPE FRAZÃO, O Estado de S.Paulo

08 Dezembro 2011 | 03h04

Suspeita-se que a passagem de pedestres tenha se desprendido da estrutura principal da ponte, que não está comprometida, segundo o laudo, por infiltração da água de chuva ao longo dos anos. Somente depois de descobrir o motivo da queda será criado um plano de reforma e contratada a empresa para executá-la.

A Prefeitura havia desistido de fazer a obra prevista no Plano de Metas do governo - Agenda 2012, criado em 2009, como informou ao Estado a Secretaria Municipal de Planejamento, Orçamento e Gestão. Agora, por causa da intervenção emergencial, a Ponte dos Remédios voltou ao programa.

"Em princípio, a obra era só no passeio, mas vamos também reforçar a estrutura principal da ponte", disse o secretário municipal de Infraestrutura Urbana e Obras, Elton Santa Fé Zacharias.

Zacharias deu, em novembro, prazo de 180 dias para que a intervenção emergencial seja concluída. Ontem, o secretário reforçou que o prazo deve ser mantido. Até lá, a pista sentido Osasco/São Paulo está interditada pela Companhia de Engenharia de Tráfego (CET).

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.