Refém e seqüestrador estão em estado grave, diz hospital

Termina em tragédia a negociação para a libertação de mulher mantida refém por ex-namorado em Praia Grande

19 de novembro de 2007 | 13h48

Segundo a Santa Casa de Praia Grande, o estado do casal Jilmar Leandro da Silva Filho, de 23 anos, e sua ex-namorada Evelin Ferreira Amorim, de 18 anos, é 'gravíssimo'. Segundo as primeiras informações da polícia, terminou em tragédia a negociação para que Silva Filho liberasse a jovem, após quase 12 horas de cativeiro.   Inconformado com o término do namoro, Silva Filho manteve a ex-namorada refém desde a meia-noite desta segunda-feira, dentro de uma farmácia em Praia Grande, a 86 quilômetros da capital. Segundo policiais militares, o rapaz atirou contra a cabeça da ex-namorada e depois tentou se matar, também com um tiro na cabeça.  O casal encontra-se no setor de emergência da Santa Casa de Praia Grande, ambos em estado grave.   De acordo com o supervisor de serviço da ambulância que atendeu o casal, Alexandre Teixeira, que ajudou a retirar os dois da farmácia, Evelin estava caída sobre ex-namorado. "A menina levou um tiro na cabeça e ele também", disse. A Santa Casa fica em frente ao local onde o homem manteve a jovem em cativeiro. A polícia ouviu dois disparos às 11h55, quando decidiu invadir a farmácia e encontrou os dois feridos no chão.   Segundo a polícia, esta não era a primeira vez que o rapaz a fazia refém. Inconformado com o término do relacionamento, de cinco anos, Jilmar a manteve refém por cinco horas, em junho. Na época, ele foi preso por porte ilegal de arma e ficou detido durante um mês.   Armado com um revólver, o rapaz invadiu a drogaria no momento em que o estabelecimento era fechado. Outro funcionário da drogaria também foi impedido de sair em um primeiro momento, mas Silva Filho o liberou durante a madrugada. Um disparo foi ouvido por moradores da região, logo no início do seqüestro. Uma amiga do rapaz estaria ajudando nas negociações.    (Com informações de Rejane Lima, do Estadão)

Tudo o que sabemos sobre:
crime passionalPraia Granderefém

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.