Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

Redução de vazão pode esvaziar reservatórios e causar colapso no abastecimento, diz ONS

Em nota divulgada nesta terça-feira, 12, Operador Nacional do Sistema Elétrico afirma que, sem chuvas significativas, medida do governo de São Paulo prejudicará três reservatórios

O Estado de S. Paulo

12 Agosto 2014 | 19h21

SÃO PAULO - Se não houver chuvas significativas, a redução da vazão da Represa Jaguari, determinada pelo governo de Geraldo Alckmin (PSDB) para economizar água, causará o esvaziamento dos reservatórios de Paraibuna, Santa Branca e Funil e o colapso do abastecimento de cidades em São Paulo e no Rio de Janeiro. As informações constam em nota divulgada nesta terça-feira, 12, pelo Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS). No início da tarde, a Companhia Energética de São Paulo (Cesp) foi notificada pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) a cumprir despacho do ONS que determina o aumento da vazão.

Na nota, o ONS afirma que em 4 de agosto já havia informado à Agência Nacional de Águas (ANA) e à Cesp que considerava inviável atender à solicitação da companhia para reduzir a vazão da represa. Segundo o operador, no dia seguinte, antes da posição da ANA a Cesp notificou o ONS de que adotaria a vazão reduzida.   

"De imediato, o ONS reiterou à Cesp sua posição, com cópia para MME, Aneel e ANA. Ao longo do dia 6/8, a Cesp manteve a geração de Jaguari em 3 MW, com defluência de 10 m3/s. Tendo em vista a gravidade do descumprimento dos procedimentos operativos, o ONS elaborou o Relatório de Não-Conformidade, enviado à Cesp e à Aneel para a adoção do procedimento administrativo cabível", afirma o texto do ONS. 

O ONS afirma que agora aguarda o posicionamento da Aneel e da ANA sobre o assunto.

Mais conteúdo sobre:
Crise da água Sabesp Cesp ONS Aneel

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.