Redução da merenda escolar é um descalabro, diz José Dirceu

Cortes da gestão Kassab representam 'incompetência e má gestão pública e financeira', alfineta o ex-ministro

Gustavo Uribe, Agência Estado,

17 de setembro de 2009 | 18h51

O ex-ministro da Casa Civil e deputado federal cassado José Dirceu (PT) criticou a iniciativa da Prefeitura de São Paulo de diminuir de cinco para quatro as refeições diárias servidas nas creches da capital. Em seu blog, o petista avaliou como descalabro a redução da verba destinada à alimentação de crianças de 661 creches municipais. Dirceu ainda destacou que os cortes orçamentários realizados na gestão Kassab representam "incompetência e má gestão pública e financeira" da Prefeitura. O prefeito Kassab afirmou nesta quinta-feira, 17, que desconhecia a decisão da Secretaria Municipal de Educação de reduzir a verba para a merenda escolar.

 

Veja também:

link Kassab desconhecia corte de merenda nas creches de São Paulo

link Prefeitura de SP reduz merenda de alunos de creches

link Secretário alega redução do período letivo de 12 para 10 horas 

 

O petista lembrou alguns cortes anunciados nas últimas semanas, como o contingenciamento de 20% da verba de varrição e limpeza pública; o congelamento de 12% da verba destinada à Secretaria de Saúde no primeiro semestre de 2009 e a aplicação de menos de 2% da disponibilização orçamentária para a construção de piscinões na cidade. "De duas uma: ou Kassab fez um orçamento só para ganhar a reeleição ou não tem controle sobre o próprio orçamento", alfinetou.

 

Dirceu ainda refutou a hipótese de que a crise financeira mundial seria a responsável pelos cortes de verba da Prefeitura. "Se os cortes são por causa da crise, ele (Kassab) errou e feio. Já há sinais positivos de recuperação da arrecadação (pública)."

 

O petista ainda alfinetou Kassab com dados do último reajuste de verba de propaganda para 2009 feito pela Prefeitura. No início desta semana, o prefeito anunciou incremento de R$ 2,5 milhões em publicidade. "Pelo visto, o prefeito só não corta a verba para propaganda de seu governo", criticou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.