Recusa de atendimento

SAÚDE PÚBLICA EM ITAPEVI

O Estado de S.Paulo

26 Abril 2012 | 03h02

O atendimento do Pronto-Socorro (PS) do Hospital Amador Bueno, em Itapevi, revela a precariedade da saúde no País. Em 27/3 a filha de uma conhecida minha, de 5 anos, começou a passar mal, com ânsia de vômito e dores abdominais. Como ela teve uma convulsão e desmaiou, foi levada ao PS às 16h30. Para espanto da mãe, escutou o médico dizer que não iria atendê-la, pois não tinha equipamento e que deveria aguardar do lado de fora. A enfermeira também disse para ela não se preocupar, pois a criança estava fingido. A mãe entrou em pânico, já que estavam recusando atendimento. Ela levou a menina ao Serviço de Assistência Médica (Sameb) de Barueri, onde chegou por volta das 20h30. A criança foi avaliada por uma junta médica e transferida para o Hospital Municipal de Barueri, onde passou por uma cirurgia, pois o diagnóstico foi apendicite aguda. De acordo com os médico, se houvesse demorado mais, o estado dela se agravaria.

ALBERTO NUNES / ITAPEVI

A prefeitura de Itapevi informa que a paciente foi atendida no PS Amador Bueno, em 27/3, com queixa de dor abdominal e com febre de 37,2ºC. Para a realização de esclarecimento diagnóstico, a criança foi encaminhada pelo profissional ao Serviço de Pediatria, no PS Central, uma vez que a unidade não dispunha de especialista. A prefeitura ressalta ainda que instaurou averiguação preliminar para esclarecer o caso.

O leitor desmente: A resposta da prefeitura não é verdadeira! A criança foi levada ao Serviço de Pediatria no PS Central pela mãe, pois o médico tinha dito que não havia ambulâncias disponíveis para o transporte.

CIRURGIA DE CATARATA

Dois meses de espera

Tenho 83 anos, já fiz diversos exames no Hospital Geral de Taipas para poder fazer uma cirurgia de catarata, mas até hoje não fui chamada para o procedimento. Preciso passar por essa cirurgia urgente, pois não estou enxergando mais nada.

RACHEL SILVEIRA TEIXEIRA

/ SÃO PAULO

O Hospital Geral de Taipas esclarece que comprou novos equipamentos para acelerar a realização de cirurgia de catarata na unidade. Casos considerados mais graves e urgentes são priorizados. O hospital entrará em contato com a sra. Rachel para agendar o procedimento o mais breve possível.

A leitora revela: Até agora não recebi nenhum telefonema. Há 2 meses aguardo pela cirurgia.

OBRAS DA SABESP

Buracos na Vila Campesina

Minha mãe mora na Rua Maria de Lourdes Ponce, Vila Campesina, próximo da prefeitura de Osasco. A Sabesp fez algumas obras na rua e, como o reparo não foi feito de forma adequada, o asfalto cedeu, formando buracos, valas e sulcos em toda a rua. Como a rua tem grande movimento, ao tentar estacionar, por diversas vezes os carros caem nas valas. O mais preocupante é que as pessoas podem cair e se machucar seriamente. Praticamente todos os moradores já falaram com a Sabesp pelos mais diversos meios, mas nada foi feito até agora.

MARCO ANTÔNIO P. HERRERO

/ SANTO ANDRÉ

A Sabesp informou que concluiria os serviços de reposição do asfalto no local em 24/4. A empresa esclarece que há um afundamento na via, decorrente de serviços de prolongamento da rede de esgoto. A Sabesp lamenta o contratempo e agradece o contato do cliente.

O leitor relata: A Sabesp colocou pedras em dois buracos em frente à casa da minha mãe e comentou que retornaria para preenchê-los com piche. O grande problema é que os demais buracos permanecem abertos.

TVA/VIVO

Confusão ou mentira?

A TVA havia se comprometido a creditar o valor pago a mais pela troca do sinal, agora digital. Eis que, além de não creditar a soma, cobrou em duplicidade no mês de março. A TVA não age com seriedade e ainda repete a programação da TV. É isso que a TV a cabo se propõe a fazer, enganar o cliente?

CARLOS HENRIQUE ABRAO

/ SÃO PAULO

A TVA esclarece que já fez o crédito na fatura de março do valor

correspondente. A operadora esclarece que o conteúdo dos canais não é de sua responsabilidade, mas das empresas programadoras que determinam as repetições para atender às necessidades

de cada público.

O leitor diz: A TVA, atual Vivo, mais uma vez mentiu, já que não creditou nada. Se a programação não é de sua responsabilidade, deveria ser transparente e avisar o consumidor antes que ele assinasse o contrato.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.