Reconstituição traz versão de Elize do crime

O empresário Marcos Matsunaga, de 41, foi morto em maio; mulher confessou o assassinato

O Estado de S. Paulo,

21 Agosto 2012 | 23h12

SÃO PAULO - O laudo de reconstituição do assassinato do diretor executivo da Yoki, Marcos Kitano Matsunaga, em 19 de maio, na Vila Leopoldina, na zona de oeste de São Paulo, foi divulgado nesta terça-feira, 21, pela polícia. Nele, Elize Araújo Kitano Matsunaga, de 30 anos, confirmou aos peritos a versão dada em depoimento, de que matou e esquartejou o marido. O promotor do caso, José Carlos Cosenzo, disse que o documento trata-se "rigorosamente de uma prova de defesa", por ser a própria Elize contando o que fez.

 

Elize foi denunciada por homicídio doloso triplamente qualificado e ocultação de cadáver. Ela está detida no Presídio Feminino do Tremembé, no interior paulista, desde o dia 20 de junho. A defesa de Elize alega que ela matou o marido durante uma discussão motivada por ciúme e o esquartejou horas depois para poder transportá-lo em malas até Cotia, na Grande São Paulo.

Elize havia descoberto que Matsunaga tinha um relacionamento com uma garota de programa. A Polícia Civil soube que o executivo havia dado à amante um carro blindado, avaliado em R$ 100 mil, além de mesada de R$ 27 mil.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.