Ana Paula Niederauer/Estadão
Ana Paula Niederauer/Estadão

Receita faz operação contra comércio ilegal no centro de São Paulo

Shopping 25 de Março foi fechado; há suspeita de crimes de lavagem de dinheiro, corrupção, escravidão e danos à saúde pública

Ana Paula Niederauer, O Estado de S.Paulo

11 Setembro 2017 | 10h10
Atualizado 11 Setembro 2017 | 11h26

SÃO PAULO - A Receita Federal realiza na manhã desta segunda-feira,11, uma operação para conter comércio ilícito na região central da capital paulista. O alvo da ação é o Shopping 25 de Março, que foi fechado.

A operação, nomeada de Setembro, deve durar até o fim do mês e tem objetivo de fiscalizar cerca de 900 lojas e apreender 800 toneladas de mercadorias irregulares, fruto de contrabando, descaminho e falsificação.

Segundo vice-prefeito e o secretário de Prefeituras Regionais, Bruno Covas (PSDB), o shopping perdeu o alvará de funcionamento e terá a fachada bloqueada com tijolos nos próximos dias. 

A ação faz parte da cooperação entre a Receita Federal, o Ministério Público Federal e a Prefeitura de São Paulo, por meio da Secretaria Municipal de Prefeituras Regionais e Guarda Civil Metropolitana (GCM). 

A Prefeitura de São Paulo realiza a fiscalização da condição de funcionamento dos estabelecimentos, do ponto de vista de alvarás, segurança e outros aspectos.

A ação se dá em cumprimento a mandado de busca e apreensão, que foi expedido pela Justiça Federal atendendo pedido de iniciativa da Receita Federal em conjunto com a Procuradoria da República em São Paulo.  

Segundo a Receita Federal, dessa região saem mercadorias irregulares que abastecem todo o Brasil, gerando um prejuízo de bilhões de reais por ano com sonegação. Além do aspecto fiscal, há reflexos em outros crimes, como lavagem de dinheiro, corrupção, escravidão e danos à saúde pública.  

A Receita Federal prevê que a Operação Setembro seja a maior já deflagrada pelo órgão com objetivo de coibir esses crimes.

Se confirmado, o valor das apreensões deve atingir a marca de R$ 300 milhões.

Participam da ação 25 auditores-fiscais e 80 analistas-tributários da Receita, além de 100 guardas civis metropolitanos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.