DANIEL TEIXEIRA | ESTADAO
DANIEL TEIXEIRA | ESTADAO

Recarga falha de Bilhete Único cria fila, falta de troco e venda paralela

Sem moedas, cobrador deixa passageiro viajar de graça no ônibus; no Metrô, usuário paga mais caro para ganhar tempo

Rafael Italiani, O Estado de S.Paulo

21 Fevereiro 2016 | 23h49

Problemas nos pontos eletrônicos de recarga de Bilhete Único em terminais de ônibus e estações do Metrô e da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) fazem o passageiro viajar de graça por falta de troco, perder dinheiro nas máquinas novas e ficar uma hora em filas, estimulando o mercado paralelo de venda de bilhetes para quem não quer enfrentá-las.

Nas últimas semanas, a reportagem flagrou ambulantes abordando usuários nas bilheterias das Estações Barra Funda, República e Sé do Metrô cobrando R$ 4,00 de quem quisesse passar pela catraca sem enfrentar a fila. Passageiros pagaram R$ 0,20 a mais do que a tarifa comum, de R$ 3,80, e passaram com o cartão “emprestado”.

“Vale a pena para não ficar esperando”, disse um deles, que não quis se identificar, no início da noite de 2 de fevereiro, na Estação Sé. A prática irregular ganhou força com as longas filas provocadas pela suspensão da venda de créditos do bilhete, em dezembro de 2015, pela Rede Ponto Certo, que operava 2/3 das máquinas de autoatendimento nas estações.

Segundo Rubens Menezes, chefe do Departamento de Segurança do Metrô, somente entre 1.º de janeiro e 15 de fevereiro, 132 bilhetes únicos usados nesse tipo de ação foram apreendidos. “Esse tipo de comércio irregular é sazonal, mas o combate é diário.” Ele diz que a venda paralela de bilhete só é crime se usar cartão de idoso, estudante ou deficiente, que têm gratuidade e os de terceiros.

A atriz Thalita Drodowsky, de 22 anos, acha normal perder uma hora em congestionamentos, mas acha “surreal” ficar o mesmo tempo para carregar o Bilhete Único. Esse problema começou quando a tarifa foi reajustada para R$ 3,80. “Acontece desde o aumento da passagem. Tiraram as pessoas que trabalhavam aqui e colocaram máquinas que não funcionam.” Na Estação Barra Funda, das quatro máquinas novas apenas duas funcionam e nem sempre aceitam recargas com cartão de débito.

A publicitária Flavia Viana, de 24 anos, não tinha trocado para comprar bilhete do Metrô a R$ 3,80 e a funcionária do guichê deu um desconto: R$ 3,50. “As máquinas não funcionam e o bilhete acaba saindo mais barato.” Ela também já viajou de graça nos ônibus por falta de troco.

O cabeleireiro Anderson Domingues, de 26 anos, já foi ao trabalho sem pagar. “Eu tinha R$ 10 para a passagem. Não tinham troco e desci pela frente.”

Resposta. O Metrô de São Paulo afirmou, em nota, que desde 2015 adotou medidas para facilitar a compra e recarga de créditos do Bilhete Único nas estações. A companhia informou ter assinado contrato com duas empresas para instalar mais cabines de venda. Sobre as máquinas de autoatendimento e recarga, o Metrô disse que os equipamentos nos pontos abandonados pela Rede Ponto Certo serão repostos até março.

A SPTrans disse que trabalha com o Metrô para oferecer os novos equipamentos nos terminais de ônibus e que a responsabilidade pelo troco é das concessionárias do sistema. Sobre a venda irregular de bilhetes, a CPTM informou que faz fiscalizações nas estações.

Você no Estadão. Você fotografou filas nos guichês do Metrô, está com problemas para carregar seu bilhete ou observou venda paralela de passagem? Mande para nós o seu relato. Para participar usando o celular, baixe o aplicativo Você no Estadão, faça cadastro, login e envie sua foto ou vídeo. Disponível no Google Play e na Apple Store. Se você estiver no desktop, entre na página do Você no Estadão, faça cadastro, login e envie sua foto ou vídeo. É rápido e fácil. Sua colaboração pode ir parar nas páginas do jornal, no portal do Estadão e nos aplicativos de notícias. / COLABOROU FABIO LEITE

Mais conteúdo sobre:
Bilhete Único Metrô CPTM

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.