Rapaz é morto em boate na Vila Olímpia

Ronald Alfredo Braum foi baleado no abdome após briga por causa de uma mulher; outras três pessoas foram atingidas pelos disparos

Camilla Haddad, O Estado de S.Paulo

19 Janeiro 2011 | 00h00

O promotor de vendas Ronald Alfredo Braum, de 22 anos, morreu na madrugada de domingo baleado no abdome após se envolver em uma briga que começou em uma danceteria na Rua Gomes de Carvalho, na Vila Olímpia, zona sul de São Paulo. A confusão foi parar na porta do estabelecimento. Três estudantes foram atingidos por balas perdidas. Segundo parentes de Braum, a discussão teve início na pista de dança da Nexxt Lounge, por causa de uma garota.

Até ontem, a polícia não havia prendido ninguém. Foi a segunda morte em balada na cidade em uma semana. No dia 9, um universitário foi morto no fumódromo de uma bar, no Itaim-Bibi, também na zona sul. O agressor o atingiu com um copo na região do pescoço.

No domingo, quem estava no local viveu momentos de terror. "Eram muitos tiros, como se fossem bombinhas. Todo mundo gritou. A casa fechou as portas nessa hora. Eu me deitei no chão e, mesmo assim, um tiro pegou no meu joelho", contou uma estudante de 17 anos. Ela esperava um táxi para voltar para casa, às 5 horas, quando foi atingida. As duas primas, que estavam com a garota no momento dos tiros, não se feriram.

Já era madrugada quando Braum se divertia com dois amigos na pista. Um grupo desconhecido teria se irritado com um dos amigos da vítima que estaria dançando com uma menina.

A família do promotor de vendas disse ontem que houve uma primeira briga - separada por seguranças. Cerca de 20 minutos depois, novo tumulto foi registrado na pista de dança, mas ninguém foi colocado para fora da casa noturna.

"Os tiros foram na hora da saída, mas já tinham acontecido duas brigas lá dentro", explicou o irmão de Braum, Rodrigo Alfredo, de 27 anos. Para ele, seu irmão teria tentado ajudar o amigo, apartando a briga, e acabou morto. "Eu sempre frequentei esse lugar e nunca houve nada. Bem nesse dia eu não pude ir com ele. Era a primeira vez que Ronald ia lá", disse.

De acordo com Rodrigo, o irmão foi ferido no abdome e chegou a ser levado para um hospital na região, onde morreu 40 minutos depois. "Meu irmão ia fazer 23 anos no dia 4 de fevereiro. Tinha acabado de se recuperar de uma acidente de moto."

Medo. Além da estudante de 17 anos, também foram baleados um rapaz de 20 anos e um colega dele, de 18. Eles passaram pelo Hospital Santa Paula e estão em casa. A estudante contou que sua mãe a proibiu de voltar ao local. "Mesmo assim, eu gosto de lá, nunca teve confusão", afirmou a garota.

O caso foi registrado no 96.º Distrito Policial (Brooklin) como homicídio simples. No documento consta que um funcionário do valet forneceu um bilhete com a placa do carro do autor dos disparos, que fugiu.

Quando a polícia foi investigar o dono do veículo, ele contou uma versão diferente. Teria dito que fora sequestrado em seu próprio carro e depois abandonado em uma rodovia de São Paulo. Ele, porém, não soube descrever o homem que o rendeu.

Os proprietários da Nexxt não foram encontrados pela reportagem até as 23 horas de ontem.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.